Construção civil, além de bares e restaurantes, reúnem os dados mais positivos para o período

17/02/2017. Credito: Marcelo Ferreira/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia – DF . Liberação de financiamento para imoveis nos valores de ate 1 milhão e meio de reais. Obras de predios residenciais no Setor Noroeste.

O setor produtivo do Distrito Federal prevê um 2018 de recuperação econômica. De acordo com especialistas e lideranças sindicais e de federações, com a queda da taxa de juros para 7%, a expectativa é de um ano melhor do que o anterior. Além disso, a corrida do período eleitoral pode ser vantajosa para algumas áreas específicas, como bares e restaurantes. “Apesar da base ruim, de quase três anos de recessão, estamos em uma curva ascendente. As pessoas fizeram uma reavaliação do planejamento de compras e retornaram ao mercado. Houve uma retomada na confiança dos consumidores”, explica Adelmir Santana, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do DF (Fecomércio/DF).

Conforme análise de Jamal Jorge Bittar, presidente da Federação das Indústrias do DF (Fibra), a construção civil é o setor mais promissor para 2018. “A área é uma empregadora de modo extensivo, com contratações imediatas. Os índices estão muito baixos, então, eu não vejo espaço para que caia ainda mais”, avalia. Ele associa o crescimento ao maior investimento do Executivo local, principalmente em mobilidade urbana, como obras de passarelas e obras no anel viário.
“Se tivermos um governo comprometido com reformas, inovação e desenvolvimento, 2018 será o ano da grande virada”, Adelmir Santana, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do DF (Fecomércio-DF)
A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) do DF mostra que, entre outubro e novembro, o índice de trabalho na construção civil subiu 8,2%. Com a regularização definitiva do Setor Noroeste, por exemplo, a quantidade de canteiros aumenta, assim como o índice de ocupação. “O investimento na construção civil é a primeira necessidade das pessoas, mas é a mais difícil de ser adquirida”, aponta Bittar.
Apesar da perspectiva positiva para 2018, o índice de desocupação ainda é alto na cidade. A PED de novembro indica uma diminuição em comparação a outubro, mas o total ainda atinge 18,4%, taxa que engloba cerca de 300 mil brasilienses. Em 365 dias, a quantidade de desempregados caiu apenas 0,1%, sendo que, em novembro de 2015, o índice era de 14,2%. O mês que apresentou o maior índice de 2017 foi março, com 2,3 ponto percentual a mais do que o apresentado no encerramento do ano.

Consciência

Contudo, a melhora nos negócios está diretamente ligada a medidas governamentais. “A recuperação depende da continuidade das reformas estruturais, como da Previdência e a tributária, e das microrreformas. Isso aumentará a confiança dos investidores para sairmos dessa crise duradoura e terrível”, aponta Adelmir Santana. Na indústria, a tendência de crescimento é visível no Índice de Confiança do Empresário Industrial (Ipei/DF) de dezembro, que atingiu 58%, valor 10,6 pontos maior do que o mesmo período do ano anterior. “Esse otimismo nos investimentos gera emprego de modo direto”, enfatiza Bittar, da Fibra.
Para ele, as eleições são positivas, pois dinamizam os debates e a criação de soluções para a situação local. O momento deve ser positivo para restaurantes e bares. “É onde as pessoas vão discutir política e fazer reuniões”, destaca Jael Antônio da Silva, presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes (Sindhobar).
Os especialistas destacam as escolhas conscientes nas urnas. “A população precisa começar a pensar sobre o país que quer, se é um onde o cidadão volta a ter mais poder de decidir sobre as próprias coisas ou um Estado-pai”, opina Rodrigo Freire, à frente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no DF. Para o responsável pela Fecomércio/DF, uma preocupação com o período eleitoral se refere aos candidatos que tomam medidas irresponsáveis para ganhar popularidade e se reeleger.

Profissionalização

Além do maior investimento governamental, a profissionalização tem sido outro ponto positivo na capital federal. Mais de 60 mil brasilienses buscaram cursos e oficinas no Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do DF (Sebrae/DF) em 2017. “Percebemos uma procura muito grande de pessoas que têm o sonho de montar o próprio negócio”, revela o gerente de Atendimento Personalizado da entidade, Ary Ferreira Júnior. Os indicadores de inovação, gestão, desempenho e consultoria também reforçam as expectativas positivas para 2018.
Brasília conta com mais de 200 mil pequenas empresas em funcionamento, sendo que cerca de 70 mil proprietários se profissionalizaram no Sebrae no último ano. O gerente nota uma mudança de cultura de empresários instalados e potenciais. “Eles buscam alternativas para o orçamento e passaram a monitorar e a pesquisar as tendências dos clientes para ter assertividade com preço acessível, qualidade melhor e facilidade de acesso”, analisa.
Fonte e Imagens: Correio Braziliense