Índice médio anual de velocidade de vendas foi 24% maior do que o de 2016 e 57% superior ao de 2015. Empresas do setor imobiliário observam demanda aquecida e projetam crescimento de vendas em 2018.

As condições para a compra do imóvel novo no Distrito Federal têm melhorado nos últimos meses. As empresas do setor encerraram 2017 observando velocidade média de vendas 57% superior a 2015 (4%) e 24% maior em relação a 2016 (5,1%), para imóveis residenciais novos.

Somente em dezembro, o Índice de Velocidade de Vendas (IVV) de unidades residenciais foi de 7,3%, situado entre os melhores de todo o ano de 2017 (veja gráfico abaixo). Tanto que dezembro foi o segundo melhor mês em vendas de residenciais novos no DF em 2017. Os dados são da pesquisa mensal do IVV.

Para compreender a importância do desempenho do IVV em 2017, é preciso levar em conta que o setor considera que um IVV na casa dos 5% representa uma velocidade adequada para a venda de um empreendimento imobiliário.

Evolução do IVV residencial 2015 – 2017



IVV residencial cresce nos dois últimos meses de 2017
Conforme o gráfico, as vendas de imóveis residenciais novos apresentaram IVV crescente nos últimos meses de 2017: 6,5% em novembro e 7,3% em dezembro. Para os empresários do ramo imobiliário, esse bom desempenho resulta de alguns fatores, tais como a melhora paulatina dos indicadores econômicos, a queda da taxa referencial de juros (Selic) – que conduziu investidores do mercado financeiro para o setor imobiliário –, a redução drástica da oferta de alguns tipos de imóveis novos no DF, entre outros.

Outros sinais de que os negócios imobiliários se tornaram mais atrativos no DF é que há maior demanda por imóveis para moradia e, novamente, para investimento – esta modalidade tem estimulado vendas de imóveis na planta, ou seja, antes da fase de construção. As compras à vista também voltaram ao cenário, atestam alguns empresários.

Venda líquida mostra solidez do mercado imobiliário

Uma informação apurada na pesquisa do IVV tranquiliza tanto os empresários do setor quanto os compradores de imóveis: as vendas líquidas melhoraram sequencialmente desde o 3º trimestre de 2017. Este dado leva em consideração as vendas efetivadas e também os distratos, que caíram substancialmente no DF. No 3º trimestre, as vendas líquidas de residenciais novos totalizaram 82%. Ou seja, a cada 100 unidades negociadas, 82 foram efetivamente vendidas; no 4º trimestre o valor subiu para 86%, dado considerado “excelente” pelo setor.

Mais vendas e mais negócios na cadeia produtiva em 2018

“Para 2018, temos convicção que a compra de imóveis será o melhor negócio para se realizar no Distrito Federal. Estamos muito confiantes, em razão dos indicadores sólidos de que dispomos e que dividimos com a sociedade por meio da pesquisa do IVV”, avalia Paulo Muniz, presidente da Ademi-DF.

Muniz acrescenta que os negócios mais volumosos no segmento imobiliário já aquecem as vendas na cadeia produtiva no atacado e no varejo e também na prestação de serviços. “A venda de um imóvel faz com que uma série de empresas, em especial de micro e pequeno porte, observem aumento na demanda por serviços e produtos em todo o DF”, afirma Muniz.

Para Luiz Carlos Botelho, presidente do Sinduscon-DF, o ano de 2018 será alvissareiro para o mercado imobiliário. “Há razões para otimismo, trazido pela clara retomada das vendas, como mostra nossa pesquisa”, explica. “Com as soluções propostas pelas novas leis distritais, vamos obter mais celeridade na aprovação de projetos, emissão de alvarás e cartas de Habite-se. O número de lançamentos vai aumentar e o mercado vai aquecer”, acrescenta.

Pesquisa mensal

A evolução do IVV no DF são divulgados mensalmente pela Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF) em conjunto com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do DF (Sinduscon-DF), com o apoio do Sebrae-DF. A coleta de dados é feita pela empresa Opinião Informação Estratégica. Participaram do estudo realizado em dezembro 33 das principais empresas atuantes no mercado imobiliário do DF.

Oferta de imóveis novos cai e pressiona preço do m²

Após meses com vendas retraídas, o mercado imobiliário vivencia novo impulso na valorização dos imóveis novos. Isso porque não ocorreram lançamentos de acordo com a perspectiva de demanda nos últimos anos. Com a diminuição da oferta e o crescimento da demanda, os preços do m2 por região sofrem pressão por valorização. Em 2017 foram apenas 12 lançamentos imobiliários no DF.

A pesquisa do IVV revela que as empresas ouvidas registravam, em dezembro de 2016, oferta de 4.333 unidades residenciais; no mesmo mês de 2017, esta oferta já havia caído para 3.858 unidades. Águas Claras é a região administrativa com mais oferta de imóveis novos, tendo 1335 disponíveis em dezembro último, sendo 1.060 de um quarto, o que demonstra certo desequilíbrio na oferta de imóveis de maior metragem.

“Há bons negócios e a preços convidativos no mercado de imóveis novos no DF. É preciso aproveitar o momento porque, no geral, esperamos valorização no preço do m2”, aconselha Paulo Muniz.

“A retomada, em 2018, não é futuro, já é presente. E, com a Reforma Trabalhista, há um direcionamento legal, uma indução, para a participação direta de microempreendedores nas obras de grande porte. Isto também se dará pela Terceirização. Assim, criaremos um mercado de trabalho fortalecido, oportunizado pela democracia econômica. Ou seja, teremos espaço para todos”, defende Luiz Carlos Botelho, presidente do Sinduscon-DF.

Dados da pesquisa – Dezembro 2017

A pesquisa do IVV tem o objetivo de aferir os negócios de imóveis novos residenciais e comerciais no DF e se a velocidade com que são vendidos está de acordo com as expectativas. Há, portanto, um IVV para imóveis residenciais e um IVV para imóveis comerciais. O IVV dos imóveis residenciais em dezembro de 2017 foi de 7,3% e o IVV dos comerciais foi de 1,4%.

Ofertas totais de imóveis residenciais (em unidades)

Em dezembro, foram ofertadas 3.858 unidades residenciais e vendidas 285 pelas empresas que participaram da pesquisa do IVV; também foram ofertadas 2.118 unidades comerciais e 12 vendidas. As quantidades de imóveis informadas nos gráficos a seguir se referem aos negociados pelas empresas participantes da pesquisa e não representam o total de imóveis em oferta ou negociados em todo o DF. Os percentuais informados podem ser projetados para a representação de todo o mercado imobiliário do DF.

Valor do m² imóveis residenciais

Entre várias informações do mercado imobiliário do DF, a pesquisa aponta a variação do preço ofertado por m² dos imóveis residenciais em cada região, em dezembro. Na Asa Norte foi registrado o maior valor de oferta: R$ 14.950,80; o mais baixo foi ofertado em Santa Maria – R$ 2.923,38.

Vendas totais de imóveis residenciais (em unidades)

IVV comercial

O gráfico a seguir mostra a evolução do IVV dos imóveis comerciais.

Clique aqui e acesse a apresentação de Alexandre Garcia, da Opinião Consultoria.
Clique aqui e acesse os dados apresentados pelo presidente da CII/Cbic, Celso Petrucci.
Fonte: ADEMI/DF