A elevada carga tributária, a demanda interna insuficiente, a falta ou o alto custo de matéria-prima e as altas taxas de juros, nessa ordem, foram os problemas mais citados pelos industriais quando questionados sobre os entraves para os negócios no Distrito Federal no terceiro trimestre de 2019.

Segundo a Sondagem Industrial do Distrito Federal, nos três primeiros trimestres do ano, a questão tributária foi a maior preocupação dos empresários do setor. No fim do terceiro trimestre, foi apontada por 57,32% dos entrevistados. Em junho, por 69,77% e, em março, por 66,67%.

Em relação às condições financeiras, a insatisfação e a dificuldade dos empresários diminuíram. O índice de satisfação com a situação financeira da empresa alcançou 46 pontos em outubro – aumento de 3 pontos em comparação ao segundo trimestre. O índice que verifica as dificuldades de acesso ao crédito marcou 43,9 pontos. No trimestre anterior, foi de 39,9 pontos. Índices acima da linha divisória dos 50 pontos indicam otimismo.

Questionados sobre as expectativas para os próximos meses, os industriais se mostraram esperançosos. A expectativa em relação à demanda por produtos, por exemplo, passou de 59,3 pontos em setembro para 64,8 em outubro. O indicador de expectativas de emprego cresceu 3 pontos – alcançou 53,2 pontos.

A intenção de investimentos se elevou pelo segundo mês consecutivo. O índice passou de 36,5 pontos em setembro para 39,1 em outubro. Comparando com o mesmo período no ano passado, o indicador aumentou 7,7 pontos.

Desempenho da indústria

Ao longo de 2019, o índice que mede a produção industrial tem oscilado, o que indica um quadro de ajuste. Os empreendimentos da capital federal estão tomando decisões com base na demanda imediata. A evolução da produção sofreu queda de 2,7 pontos e ficou em 48,2 pontos em setembro. A utilização da capacidade instalada, por sua vez, cresceu 4 pontos percentuais e repetiu o maior resultado do ano, registrado em maio: 68%.

O indicador de evolução do número de empregados continua em queda. Há dez meses, está abaixo dos 50 pontos, mas se estabilizou. Na passagem de agosto para setembro, aumentou 0,6 ponto – de 47,5 para 48,1. O índice abaixo da linha divisória dos 50 pontos sinaliza que as dificuldades de recuperação do mercado de trabalho local permanecem.

A Sondagem Industrial do DF é realizada mensalmente pela Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra), em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi do DF (IEL-DF) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os últimos dados foram coletados em outubro.

Fonte e Imagem: Sistema Fibra