Skip to Content

Sobre: Elisabeth Mota

Publicados recentemente por: Elisabeth Mota

Entenda como a sustentabilidade pode ser vantajosa para sua empresa

O maior custo da vida útil de qualquer prédio corporativo é o da operação, ou seja, as despesas que mantêm o negócio em funcionamento, como água, luz, internet, telefone, recursos humanos, sistemas de gestão, etc. Esse “dia a dia” representa aproximadamente 80% do custo total de um imóvel corporativo, considerando um ciclo de vida de 40 anos.

Segundo o engenheiro Rodrigo Mizuno, diretor do Grupo Orion, empreendimentos construídos pautados em critérios rigorosos de sustentabilidade, os chamados edifícios verdes, são uma excelente oportunidade para empreendedores que buscam reduzir os valores relacionados à operação, pois podem reduzir em até 10% deste custo.

As construções verdes prezam por otimizar os recursos naturais desde o projeto e construção até a operação, manutenção e demolição. Elas também são uma boa dica para investidores que buscam formas de agregar valor ao negócio e de reduzir a vacância dos prédios, que têm, inclusive, o metro quadrado mais valorizado.

Mizuno é um dos responsáveis pela construção do Centro Corporativo Portinari, o primeiro empreendimento comercial do Centro-Oeste a obter o selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design, Liderança em Energia e Design Ambiental, em tradução livre), certificação máxima para construções sustentáveis concedida pelo U.S. Green Building Council (Conselho de Construções Verdes dos Estados Unidos, em tradução livre).

Se comparado a um edifício comercial não certificado, o Centro Corporativo Portinari é capaz de economizar, anualmente, 48% no consumo de água e 36% de energia elétrica. Segundo o engenheiro, esses números de eficiência só são possíveis através da instalação e correta operação de tecnologias até então nunca utilizadas na capital federal.

Quem aluga consegue economizar água e energia dentro da própria operação, inclusive em mão de obra, porque tudo é automatizado. Já o proprietário ganha com menor vacância, aluguel num valor mais interessante, porque há muitas empresas que querem ocupar um prédio onde a operação é muito mais barata.

Marcelo Paro, diretor da Supera Engenharia

Segundo o World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), além da responsabilidade ambiental, os prédios verdes custam, em média, apenas 5% a mais que os comuns, valor compensado pela economia de recursos.

Economia de recursos durante a obra

Marcelo Paro, diretor da Supera Engenharia, explica que a certificação tem o objetivo de transformar obras tradicionais em ações de respeito ao meio ambiente, com inteligência e eficiência. “Com o mesmo aspecto arquitetônico, pode-se empregar uma fachada mais econômica, mas é uma economia que não vale a pena. A longo prazo, o consumo de energia de um sistema de ar-condicionado mais potente irá ultrapassar a suposta economia na fachada. No Portinari, foram feitos estudos da carga térmica no prédio em função de sua localização. Utilizamos brises nas fachadas onde ocorre uma maior incidência do sol. Todos os vidros da fachada também são duplos o que garante a redução da carga térmica. Essas características se traduzem num equipamento de ar-condicionado mais eficiente e econômico”, aponta.

Hugo Barreto/MetrópolesHUGO BARRETO/METRÓPOLES

A Supera engenharia construiu o Centro Corporativo Portinari, já o Grupo Orion foi responsável pela implantação da solução completade inteligência predial do edifício

Engenharia que protege

A construção civil é, nos dias atuais, o segmento que mais gera resíduos sólidos no cenário industrial mundial. Estima-se que ao redor de 50% dos resíduos sólidos gerados pelo conjunto das atividades humanas sejam provenientes da construção. Além disso, essa indústria é a que mais requer recursos humanos e naturais, representando 40% do consumo mundial de energia.

Um dos diferenciais das green buildings é a minimização de impactos, tanto para a vizinhança da obra quanto para o meio ambiente, durante as etapas de projeto e construção. No caso do Centro Corporativo Portinari, alguns cuidados, muitos deles critérios exigidos para a certificação, chamam atenção:

  • 78% dos resíduos gerados na obra foram desviados dos aterros sanitários para reúso ou reciclagem. O volume equivale a 520 caminhões cheios;
  • Implementação de estratégias para prevenir a saída de sedimentos da construção, como o sistema de lavagem de rodas para caminhões no acesso à obra;
  • Gestão da qualidade do ar, por meio da redução da contaminação do ambiente com poeira e emissões de gases tóxicos;
  • Capacitação e conscientização de trabalhadores por meio de programa de educação ambiental;
    Utilização de materiais com baixa emissão de componentes tóxicos.

 

Com 15 mil metros quadrados de área construída, o empreendimento conta com quatro pavimentos em vão livre, área externa de convivência, cobertura, subsolo e três andares inferiores de garagem, com oferta de 295 vagas. O edifício é capaz de abrigar empresas com até 1 mil funcionários.

O imóvel, localizado na Quadra 504/505 da W3 Norte, já está pronto e disponível para locação, por meio da Iris Imóveis Corporativos. Apesar de ficar a poucos minutos do centro da capital federal, a localização privilegiada se torna secundária perto das vantagens que o espaço oferece em termos de conforto, economia e sustentabilidade.

Hugo Barreto/MetrópolesHUGO BARRETO/METRÓPOLES

Localizado no coração da capital federal, o Centro Corporativo é o primeiro edifício comercial com certificação nível Platinum na região centro-oeste e o 11º classificado nesse nível no Brasil.

Na avaliação do diretor da Supera Engenharia, Marcelo Paro, o pioneirismo do Portinari é uma iniciativa que deve virar tendência no Distrito Federal nos próximos anos. “A responsabilidade socioambiental passou a fazer parte dos valores de corporações públicas e privadas. Nesse sentido, essas empresas têm buscado prédios ambientalmente certificados para suas sedes”, pontuou.

Contato
Centro Corporativo Portinari

www.centrocorporativoportinari.com.br
Mais informações pelo telefone (61) 3314-1010 ou pelo e-mail contato@irisgestao.com.br

 

Fonte e Imagens: Jornal Metrópoles

 

LEIA MAIS

Workshop em Goiânia debate crescimento da energia solar no Brasil

Com o objetivo de discutir o recente boom no mercado da energia fotovoltaica, o Instituto de Perícias e Educação Gerencial (INPEG), em parceria com a multinacional alemã TÜV Rheinland, realiza nesta sexta-feira (7) o 1º Workshop do Centro-Oeste em Sistemas Fotovoltaicos. O encontro será no Sindicato da Indústria da Construção do Goiás (Sinduscon-GO), das 8h às 18h.

A capacitação será ministrada pelo gerente regional de certificação de produto da TÜV Rheinland Espanha, Vitor Rodrigues. O evento visa demonstrar uma variedade de conhecimentos técnicos para proteção de investimentos em Sistemas Fotovoltaicos (PV) e serviços em todas as etapas do projeto, desde o desenvolvimento, a qualificação, a inspeção, a certificação e a avaliação de desempenho da planta instalada.

Fatores como constantes secas, crise de energia no setor elétrico, aumento da conta de luz e a demanda pela diversificação da matriz energética no Brasil fizeram com que o mercado de energia fotovoltaica vivesse um crescimento recorde em 2018. A perspectiva para o início de 2019 é de que o segmento tenha aumento de 300%. Segundo estimativas do governo, a tendência é que este mercado movimente U$ 100 bi até 2040.

O país tem uma potência instalada de mais de 1,6 gigawatts (GW), total alcançado por menos de 30 países no mundo. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) projeta que a fonte deverá representar mais de 10% da matriz elétrica em 2030, enquanto hoje representa menos de 1%.

 

SERVIÇO

1º Workshop do Centro-Oeste em Sistemas Fotovoltaicos
7 de dezembro (sexta-feira)
Das 8 às 18 horas
No Sinduscon-GO – Rua João de Abreu, 427 – St. Oeste, Goiânia – GO

LEIA MAIS

Está preparando a SIPAT da sua empresa? Precisa de ajuda?

O Seconci-DF disponibiliza diversos serviços que podem ser utilizados durante a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPATs) das empresas da construção civil. Desde sua fundação, há 30 anos, a entidade busca ser parceira dos empresários e uma aliada no desenvolvimento e implantação de questões relacionadas à segurança e saúde no ambiente de trabalho.

A equipe de técnicos percorre canteiros por todo DF levando conhecimento e conscientizando os trabalhadores. A intenção é torna-los disseminadores da cultura prevencionista dentro do ambiente onde atuam.  “Nossa preocupação é evitar que acidentes aconteçam e, por isso, a conscientização é fundamental para que cada um possa desempenhar seu papel como agente transformador para a segurança nos canteiros”, explica a gerente de segurança do trabalho do Seconci-DF, Juliana Moreira.

São vários os serviços disponíveis e que podem ser solicitados para agregar às SIPATs. Além do tema Segurança, as empresas contam também com outros serviços nas áreas de medicina ocupacional. Confira abaixo, alguns dos serviços disponíveis:

  • Palestras com temas diversos (Medicina ocupacional, Segurança do trabalho, entre outros);
  • Distribuição de cartazes e cartilhas orientativas;
  • Apresentação de peças teatrais;

Se você é empresário da construção, técnico de segurança e está promovendo algum evento para seus funcionários, entre em contato conosco e veja como fazer para contar com o apoio do Seconci-DF.

Ligue (61) 3399-1888 ramal 247 e conheça estes e os demais serviços da nossa entidade com o foco na SEGURANÇA DO TRABALHO.

 

Fonte e Imagem: SECONCI/DF

LEIA MAIS

Diretor e associado da ASBRACO será um dos finalista do Prêmio CBIC de Inovação e Sustentabilidade

Com sede em Brasília (DF), a Mendes Lima Engenharia LTDA criou o ‘Sistema Construtivo de Subsolos Estanques e Lajes de Subpressão’, por meio de um concreto aditivado com componentes que reagem com a umidade, formando uma estrutura cristalina insolúvel capaz de bloquear poros e capilares em paredes e pisos abaixo do nível do solo. O mecanismo de autocicatrização, segundo o projeto, aumenta a durabilidade do concreto e sua vida útil por meio de suas propriedades impermeabilizantes.

A empresa lembra que a impermeabilização é fundamental para uma estrutura que está em contato direto com o solo e sujeita à pressão hidrostática negativa. Isso acontece quando o nível do lençol freático no terreno é maior que o último nível do subsolo previsto em projeto.

A Mendes de Lima informa que o sistema tem vantagens sobre o tradicional rebaixamento de lençol freático, pois reduz impactos ambientais por economizar energia elétrica e desperdício de água. O sistema também evitaria a contaminação da água e do solo com impermeabilizantes poluentes e elimina acidentes com colaboradores nesse processo e custos com reparos e manutenções nas bombas, que no modelo tradicional são usadas para drenagem da água que infiltra a estrutura.

Além das certificações, o projeto destaca que a eficiência do sistema de construção tem sido comprovada pela sua demanda para obras no Distrito Federal e nos estados de Goiás, Tocantins, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

 

Fonte e primeira imagem: CBIC

Logo: Associado ASBRACO

LEIA MAIS

Conheça os finalistas do Prêmio CBIC de Inovação e Sustentabilidade

Projetos vencedores serão divulgados no dia 11 de dezembro

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgou nesta quarta-feira (28) a relação de 15 finalistas da 22ª Edição do Prêmio CBIC de Inovação e Sustentabilidade. São cinco categorias, com três finalistas cada uma. Os vencedores e a ordem de colocação serão divulgados no dia 11 de dezembro, durante
cerimônia de premiação, em Brasília. A seleção é
coordenada pela CBIC, organizadora do prêmio, em
correalização com o com o Senai Nacional.

Confira a relação de projetos finalistas e as empresas responsáveis, por ordem alfabética:

Sistemas Construtivos
– Painéis pré-moldados estruturais mistos de cerâmica e concreto armado ITC Casa Express. Para prédios de até 5 pavimentos (ITC – INDUSTRIALIZAÇÃO, COMÉRCIO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÕES LTDA – CASA EXPRESS)
– Sistema PavPlus (IMPACTO)
– Subsolos estanque e laje de subpressão (MENDES LIMA ENGENHARIA LTDA)

Materiais e Componentes
– Desenvolvimento de um novo modelo de bloco de concreto – ‘Bloco Acústico’, uma solução para isolamento acústico segundo exigência da ABNT NBR 15575 (GLASSER PISOS E PRE-MOLDADOS LTDA)
– Eternizando Suas Embalagens na Fabricação das Argamassas (RIOMIX)
– Sistema de linha de vida e guarda-corpo e rodapés para proteção contra queda em altura de trabalhadores (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ)

Pesquisa Acadêmica
– Argamassa álcali-ativada para o reparo de estruturas de concreto deterioradas (DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO – FEC-UNICAMP)
– Desempenho de concretos com a incorporação de resíduo do processo de lapidação e polimento do vidro como substituto parcial ao cimento (EMPRESA BRASILEIRA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA – INFRAERO)
– Ecotinta (GEDI – DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO)

Gestão da Produção e Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)
– Modelo para a gestão da inovação na construção civil – Estudo de Caso (APEX ENGENHARIA)
– P&D para construção de casa em um dia (TECVERDE ENGENHARIA S/A)
– SHP – Solução Habitacional Precon (PRECON ENGENHARIA)

Tecnologia de Informação para a Construção (TICs)
– Automatização do fluxo de informações dentro do processo BIM: avaliação térmica, acústica e o custo das decisões (UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA)
– Ciclo BIM na construtora (SINCO ENGENHARIA S.A.)
– Plataforma tecnológica para promoção de ambientes de trabalho e comportamentos seguros na indústria da construção civil (SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA – CIS – CENTRO DE INOVAÇÃO SESI EM TECNOLOGIAS PARA SAÚDE)
O prêmio tem como objetivo reconhecer, premiar e divulgar soluções relacionadas à tecnologia e gestão de produção em construção civil, com foco em sustentabilidade dos empreendimentos.

A comissão julgadora é composta por instituições acadêmicas, construtoras, e sindicatos, além de representantes da Associação Brasileira da Indústria Materiais de Construção (Abramat),
Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA), Caixa Econômica, Ministério das Cidades e Senai Nacional.

Nos próximos dias, traremos detalhamento sobre os projetos. A CBIC parabeniza todos os participantes e finalistas!

Veja o regulamento na íntegra.

Fonte e Imagem: CBIC

LEIA MAIS

CBIC discute futuro da construção e reitera importância da inovação e da tecnologia durante Construsummit 2018

O futuro da indústria da construção passa pela absorção de inovação e novas tecnologias, desafio que mobiliza a agenda estratégica de entidades e empresas do setor. “Nós começamos a discutir a Construção 2030, procurando identificar o que será o futuro da construção e da incorporação e apontar os caminhos para chegarmos até lá”, disse José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Durante palestra proferida em 29/11, o segundo dia de atividades do Construsummit 2018, ele abordou os principais desafios do setor e também seu potencial como indutor do reaquecimento da economia brasileira. “A construção é o único setor com capacidade para gerar emprego de forma rápida e com volume significativo”, afirmou.

Para uma plateia de empresários e profissionais do setor, Martins reiterou que a indústria da construção pode recuperar seu desempenho e favorecer um ciclo de crescimento no país sem recursos públicos. “Nós precisamos de segurança jurídica, crédito e planejamento”, destacou. Segundo ele, a retomada de obras paradas – são 4.738 projetos espalhados pelo país – e o avanço em um programa de concessões municipais induziriam a geração de novos empregos já a partir de janeiro. “São infinitas as oportunidades de investimento nas cidades. Há que encarar o problema de frente e destravar os projetos”.

Organizado pelo Buildin, plataforma de conteúdo para a indústria da construção, o Construsummit 2018 trabalhou o tema “A grande virada da construção civil”, trazendo debates e conteúdos associados as últimas tendências no campo da inovação e tecnologia aplicada ao setor. Realizado durante dois dias na cidade de São Paulo, o evento mobilizou cerca de 500 participantes, entre empresários e profissionais da construção e fundadores de startups destinadas a promover inovações no setor.

 

Fonte e Imagem: CBIC

 

LEIA MAIS

Comissão de Infraestrutura debate nova lei de licitações no Sinduscon-PR

A Comissão de Infraestrutura (COP) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) se reuniu na segunda-feira (3), no Sinduscon-PR, em Curitiba, para discutir amplamente sobre a nova Lei de Licitações, que está em análise no Congresso Nacional.

O presidente da COP/CBIC, Carlos Eduardo Lima Jorge, abordou em conjunto com o vice-presidente da CBIC, José Eugenio Gizzi, e o advogado Dr. Fernando Vernalha, os 20 pontos positivos do Projeto de Lei 1292/1995 que revoga as leis de Licitação e do Pregão e, parcialmente, a Lei do Regime Diferenciado de Contratações (RDC) –, criando uma única normatização para as modalidades de licitação e contratos da Administração Pública.

Na visão do Dr. Fernando Vernalha, um dos pontos mais relevantes do novo texto é a determinação de que a expedição da ordem de serviço para execução de cada etapa deve estar obrigatoriamente precedida de depósito em conta vinculada. “Esta é uma das inovações mais relevantes, pois assegura recurso para pagamento e consequentemente mitiga o risco de paralisação de obras”, frisa, acrescentando ser muito importante promover um estudo das causas das paralisações que existem hoje no País, e somam mais de 4.700 obras. “Às vezes é por intervenção do controlador, ou por falta de orçamento, mas por vezes é inexecução de empresas que se canabalizaram no pregão”, reforça.

Também foram apresentados os 13 pontos negativos que levam o setor a não aceitar o PL como está redigido hoje. Lima Jorge destaca a forma como estão atribuídas as definições de sobrepreço e superfaturamento, e suas penalidades. “Estamos tentando ainda tirar esta definição do Projeto de Lei ou pelo menos melhorar sua redação, para torná-la mais equilibrada”, reforça o presidente da COP.

Os temas tratados na reunião têm interface com o projeto Melhoria da Competitividade e Ampliação de Mercado na Infraestrutura, iniciativa da CBIC e do SENAI Nacional.

 

Fonte e Imagem: CBIC

 

LEIA MAIS

Empresários da construção civil entram na vida pública e assumem secretarias estaduais em janeiro de 2019

Dirigentes de entidades da construção foram arregimentados por governadores eleitos e entrarão na vida pública a partir de janeiro, levando para o poder público sua experiência administrativa e empresarial. Governador eleito de São Paulo, João Dória (PSDB) anunciou nessa terça-feira (04) a nomeação do presidente do Secovi-SP, Flávio Amary, para a Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo. No Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) confirmou a escolha de Izidio Santos, vice-presidente Administrativo-Financeiro do Sinduscon-DF, para a Secretaria de Obras do DF. “É mais um reconhecimento à qualidade e seriedade do nosso setor”, reagiu José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Em seu segundo mandato consecutivo à frente do Secovi-SP, instituição que representa o setor imobiliário no Estado de São Paulo, Flávio Amary atua no segmento de desenvolvimento urbano e loteamentos em Sorocaba (SP).  “Aceitei com muito entusiasmo a missão que me foi conferida pelo governador João Doria. Há 27 anos atuo na entidade e no setor com o objetivo de promover a moradia. Não existe sociedade que se possa afirmar justa com pessoas vivendo em favelas, em áreas de risco”, afirmou. “O trabalho na secretaria é uma forma de continuar a luta para melhorar as condições de vida da população e intensificar a produção de habitações de interesse social”. Para assumir a secretaria, a partir de 31 de dezembro Amary licenciar-se-á da presidência do Secovi-SP, função que será desempenhada por Basilio Jafet, atual vice-presidente de Relações Institucionais, até outubro de 2019, quando ocorrem novas eleições na entidade.

A atuação de Izidio Santos no Sinduscon-DF teve início em 2003, integrando o Sinduscon Jovem. Anos depois, passou a compor a diretoria como um dos vice-presidentes. Izidio destacou-se também pela atuação no campo da responsabilidade social, em que assumiu a presidência do Seconci-DF, por dois mandatos (2009-2011 e 2011-2013). Tamanho foi o reconhecimento de seu trabalho que foi convidado a participar da formatação do Seconci Brasil, em 2011. Santos foi substituído pelo vice-presidente Adalberto Valadão Junior.

 

Fonte e Imagem: CBIC

 

LEIA MAIS

Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) com parceria do SECONCI promovem palestra pelo fim da violência contra mulheres na construção civil

O escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), em parceria com o Serviço Social da Indústria da Construção Civil (Seconci-DF) e do Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon-DF) promovem na sexta-feira, 7 de dezembro, a palestra Construindo igualdade: Pelo fim da violência contra as mulheres.

O evento faz parte da campanha 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra mulheres e tem por objetivo informar profissionais da área da construção civil, como técnicos de segurança, funcionários de RH, engenheiros e arquitetos sobre o tema violência contra as mulheres, a fim de que eles se tornem multiplicadores do tema dentro do setor da construção.

Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho e Previdência Social, em 2016, mulheres representavam 10% da força de trabalho na construção civil. Apesar do crescimento do número nos últimos anos, ainda é um setor majoritariamente masculino. Considerando que homens tem papel fundamental como parceiros dos direitos das mulheres, o apoio deste setor é de grande importância para a igualdade entre homens e mulheres e para o enfrentamento da violência contra elas. No Distrito Federal, o número de mulheres na construção civil chega a 12% do mercado de trabalho.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio do site do Sinduscon-DF. Participe!

Serviço: Palestra Construindo igualdade: Pelo fim da violência contra as mulheres

Data: 7 de dezembro

Horário: 10h

Local: auditório do Sinduscon-DF, SIA Trecho 2/3 Lote 1.125 – 3º andar

Inscrições www.sinduscondf.org.br

 

Fonte e Imagem: SECONCI/DF

LEIA MAIS

Edital da SPU oferece 21 imóveis no DF para permutas

A Secretaria do Patrimônio da União (SPU), do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, está oferecendo 21 imóveis em Brasília (DF) para trocar por edifícios que abrigarão as sedes da Advocacia Geral da União (AGU), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O objetivo da SPU é reduzir o gasto da União com aluguéis, substituindo imóveis locados por imóveis próprios. A economia anual com essas permutas será de, aproximadamente, R$ 32,4 milhões.

O edital de chamamento nº 3 foi publicado na última quarta-feira (28), no Diário Oficial da União, e visa identificar interessados em permutar imóveis da União por edifícios comerciais que sirvam de sede para AGU, Ipea e Iphan. Os terrenos e apartamentos que compõem a cesta de bens oferecidos a pessoas físicas e jurídicas estão avaliados em R$ 431,2 milhões. O edital e seus anexos, com as informações sobre as permutas, estão disponíveis online.

A AGU ocupa atualmente dois imóveis, um próprio e outro alugado, a um custo de R$ 18,6 milhões anuais. O órgão precisa de um edifício com área útil mínima de 13,7 mil metros quadrados que abrigará cerca de 1,3 mil pessoas.

Já o Iphan precisa trocar o edifício comercial de 13,7 mil metros quadrados que ocupa na 713/913 Sul, cujo aluguel é de R$ 6,6 milhões anuais, por outro edifício com área útil mínima de 13,7 mil metros quadrados, suficientes para acomodar 473 servidores.

Por fim, o Ipea – que ocupa atualmente um imóvel do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no Setor Bancário Sul – oferece duas projeções na Asa Sul em troca de um edifício de, no mínimo, 10 mil metros quadrados de área útil para acomodar seus 815 servidores.

Os interessados deverão se manifestar até o dia 20 de dezembro pelo site do Ministério do Planejamento, com arquivos de até 30 MB. É necessário informar o valor do imóvel ofertado, acompanhado de documentos constantes do edital e anexos.

A solicitação da cópia, bem como esclarecimentos adicionais, deverão ser encaminhadas ao e-mail ao vendaspu@planejamento.gov.br ou por escrito, à Secretaria do Patrimônio da União – Unidade Central, localizada no Bloco C – 9º andar, sala 972, Esplanada do Ministérios, Brasília-DF.

Os 13 apartamentos que constam do edital poderão ser visitados em dias úteis, das 9h às 16h. As visitas devem ser agendadas pelo e-mail acima ou pelo telefone (61) 2020-1904.

As ofertas apresentadas serão encaminhadas aos órgãos destinatários das permutas que analisarão a mais vantajosa para a Administração Pública. Os valores apresentados serão avaliados pela Caixa Econômica Federal. A autorização para alienação de imóveis da União por permuta está prevista na Lei 9.636 de 15 de maio de 1998.

 

Fonte e Imagem: CBIC

 

LEIA MAIS

 

Comentado recentemente por Elisabeth Mota

    Sem comentários por Elisabeth Mota