A capital mineira foi nesta última quinta-feira (07) o cenário de mais uma edição da Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes na Indústria da Construção (CANPAT Construção). Com o tema “Mais prevenção, menos quedas”, a iniciativa reuniu na sede do Serviço Social da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Seconci-MG), cerca de 120 pessoas, entre engenheiros civis, técnicos de segurança do trabalho, médicos da área trabalhista e demais profissionais ligados à segurança do trabalho.

O objetivo foi apresentar os resultados da campanha realizada em Belo Horizonte e região metropolitana, além de tratar sobre dados relativos a acidentes de trabalho, mudanças da chamada Lei da Terceirização (Lei 13.429/2017) e a apresentação da plataforma Sesi Viva +, focada na gestão das informações relativas ao segmento.

A presidente do Seconci-MG, Danuza Bernis Mohallem, fez a abertura do evento salientando a relevância dos serviços prestados pela entidade aos trabalhadores da construção.

Em seguida, o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Geraldo Jardim Linhares Júnior, celebrou o fato de que, em janeiro, o Seconci-MG alcançou dois milhões de atendimentos. “A entidade é o braço social do sindicato, além de ser os nossos olhos, já que o mais importante nas empresas são as pessoas. Queremos que o operário saia de casa e volte para a sua família com saúde e segurança!”, frisou.

O vice-presidente de área da CBIC e presidente da Comissão de Política de Relações Trabalhistas (CPRT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Fernando Guedes, salientou como a segurança tem que ser parte da cultura de uma empresa.

“Desde o presidente ao servente de obra, o plano de saúde e segurança do trabalho tem que ser executado com a mesma exatidão que outros projetos da construtora”, salientou Fernando Guedes.

Segundo o coordenador de Fiscalização de Segurança e Saúde do Trabalho, José Almeida Martins de Jesus Júnior, “somente em 2018 foram registrados, oficialmente, 450 mil acidentes com 2400 mortes. É um número, relativamente, dez vezes maior do que as mortes que ocorreram recentemente em Brumadinho (MG), mas infelizmente, não tratamos isso como uma tragédia também!”, alertou.

Já o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção de Belo Horizonte, Vilson Valdes, reafirmou a importância da união entre as entidades. “Vivemos um momento no País que exige a aliança de todas as forças democráticas. É necessário tratar com seriedade a questão da segurança! Afinal, para que o trabalhador possa lutar pelos seus direitos, ele precisa antes de tudo, estar vivo e com saúde!”, comentou.

 Apresentações – O primeiro painel teve como tema “Apresentação dos resultados das ações prévias realizadas junto aos trabalhadores locais” e foi abordado pela supervisora do Departamento de Segurança do Trabalho, Andreia Kaucher. Segundo a profissional, seis construtoras de BH e região metropolitana receberam palestra sobre prevenção de acidentes com quedas em altura e atingiram um público de 375 trabalhadores. Como forma de reconhecer o empenho das empresas, foram entregues durante o evento, certificados de participação na CANPAT para as construtoras que estavam presentes: PHV Engenharia, EPO Engenharia, MRV Engenharia, Construtora Linear e Construtora Castor.

Representantes das construtoras PHV Engenharia, EPO Engenharia, MRV Engenharia, Construtora Linear e Construtora Castor recebem certificados de participação na CANPAT Construção (Foto: Anna Carolina Aguiar/Seconci-MG)

O segundo painel, apresentado pelo auditor fiscal do Ministério do Trabalho, Luis Carlos Lumbreras, fez uma análise a respeito dos dados sobre acidentes de trabalho no Brasil e em Minas. “A queda em altura não é apenas um problema brasileiro, mas mundial. A tragédia de Brumadinho, por exemplo, mostra a responsabilidade que todos os profissionais envolvidos têm nos processos de segurança do trabalho”, disse.

Também se apresentaram na CANPAT Construção Belo Horizonte, o presidente da CPRT, Fernando Guedes, que abordou a responsabilidade legal das empresas contratantes e contratadas no que se refere à segurança dos trabalhadores terceirizados, e o médico do Sesi-DN, Cláudio Patrus, que explicou como funciona a plataforma Sesi Viva + e a importância dela para gerenciar os dados sobre saúde e segurança do trabalhador para os profissionais envolvidos no segmento.

Durante o evento, também foi apresentada uma esquete cênica do grupo teatral Todo Cultura sobre a importância do uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Autoridades – Também estiveram presentes ao evento, o gerente executivo de Segurança e Saúde no Trabalho do Sesi-MG, Alfredo Santana, e a desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho, Denise Alves Horta.

Organização – A CANPAT Construção é uma iniciativa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), em correalização com o Serviço Social da Indústria (SESI-DN), e neste evento regional contou com o apoio do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG) e do Serviço Social da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Seconci-MG).

 

Fonte e Imagem: CBIC