Em entrevista à Band News, no dia 9, o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, defendeu a derrubada do veto à desoneração da folha de pagamento. “Não tem programa social melhor do que carteira assinada. Qualquer Bolsa Família fica para trás”, disse Martins, afirmando que “no instante em que se coloca carteira assinada, tem que desonerar”.

A CBIC e cerca de outras 30 entidades enviaram ao Senado Federal e à Câmara dos Deputados ofício reforçando a importância da derrubada do veto do presidente da República, Jair Bolsonaro, e a manutenção da desoneração da folha de pagamento por mais um ano, por entenderem que o adiamento de impostos é medida imprescindível à preservação de cerca de 6 milhões empregos formais diretos no país e que o impacto da desoneração da folha em meio à pandemia do novo coronavírus seria insuportável.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Democratas), disse que o apoio à prorrogação da medida cresceu no Congresso e que os deputados devem votar pela derrubada do veto.

“Esse debate agora está no Congresso, está na Câmara, e eu espero que a gente consiga derrubar esse veto. Derrubar esse veto vai significar garantir empregos no próximo ano”, diz Maia.

Fonte e Imagem: CBIC com informações da Band News e do Jornal Nacional