Como previsto, os resultados do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) para 2020 serão divulgados para consulta ainda neste mês de setembro. O FAP é um multiplicador, atualmente calculado por estabelecimento, que varia de 0,5000 a 2,0000, a ser aplicado sobre as alíquotas de 1%, 2% ou 3% da tarifação coletiva por subclasse econômica, incidentes sobre a folha de salários das empresas para custear aposentadorias especiais e benefícios decorrentes de acidentes de trabalho.

O FAP varia anualmente. É calculado sempre sobre os dois últimos anos de todo o histórico de acidentalidade e de registros acidentários da Previdência Social.

Pela metodologia do FAP, as empresas que registrarem maior número de acidentes ou doenças ocupacionais, pagam mais. Por outro lado, o Fator Acidentário de Prevenção aumenta a bonificação das empresas que registram acidentalidade menor. No caso de nenhum evento de acidente de trabalho, a empresa é bonificada com a redução de 50% da alíquota.

Métodos de análise econômica podem contribuir para a área de SST

O médico do trabalho e especialista em Ergonomia, em Saúde do Trabalhador e em Gestão da Saúde, Gustavo Nicolai, destaca sete verdades sobre como métodos de análise econômica podem contribuir para a área de Segurança e Saúde no Trabalho (SST). Confira a seguir:

  1. Melhoraram a visibilidade de custos econômicos para a empresa
  2. Demonstram que os custos de SST são na realidade investimentos
  3. Permitem a compreensão das razões econômicas do subinvestimento na SST
  4. Influenciam na tomada de decisão e criam fortes ligações entre a SST e a produtividade e qualidade
  5. Representam ferramentas úteis para a formulação de políticas públicas e privadas de SST
  6. Melhoram a motivação e a produtividade
  7. Reduzem as taxas de acidentes, doenças ocupacionais e até mesmo o absenteísmo

 (Com informações da Secretaria de Previdência, do Ministério da Economia)

 

Fonte e Imagem: CBIC