Estado de espírito tem que mudar. Perspectiva de futuro é fundamental

Já se disse que o desenvolvimento é um estado de espírito. A imagem é boa, ainda que um tanto hermética. O certo é que o Brasil perdeu sua perspectiva de futuro e as proposições dominantes, ditas liberais, não dão bases suficientes para ativar o investimento e, muito menos, a esperança de um futuro melhor.

Sim, há grandes desafios imediatos. As finanças públicas estão alquebradas em Brasília e pelo Brasil afora. A violência afronta a autoridade estatal e deixa sua marca de barbárie.

Tratar essas feridas é tarefa espinhosa. Vale uma imagem médica: o paciente, no caso o país, necessita mais do que regime e antibióticos. Como nos casos de enfermidade grave, precisa combinar os remédios com otimismo pela vida.

Essa motivação não se dará pelo mero equacionamento de longo prazo da dívida pública. É necessário reabilitar questões tragicamente abandonadas, como o emprego, a inclusão social, a ocupação sustentável do território e a modernização da estrutura produtiva.

Esses tópicos compõem a ideia de desenvolvimento.

***

Essa perspectiva ampla seria irrealista? Tratar-se-ia de adicionar mais questões a uma problemática já por demais complexa?

Ao contrário, a proposição mais promissora envolve justamente fazer a economia andar, mudar as percepções, fortalecer o comprometimento com objetivos.

Em termos teóricos, o crescimento econômico é associado à qualidade das instituições. Mas estas são também produto do crescimento econômico. Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?

É necessário desencadear o processo de crescimento paralelamente ao aperfeiçoamento do ambiente de negócios. Essas coisas devem andar juntas.

***

Assim, volto ao tema do artigo da semana passada, sobre os bancos públicos. Não é boa ideia o Executivo abdicar de instrumentos valiosos de implantação de políticas. Cabe, sim, aprimorar a governança dessas instituições de reconhecida capacidade de induzir o investimento.

O caso alemão do pós-Segunda Guerra Mundial é emblemático. O governo estabelecido na Alemanha Ocidental abraçou uma agenda liberal. Isso se deu sobretudo em rejeição à economia estatal e centralizada dos nazistas.

Mas a tradicional organização corporativista alemã e as características de seu sistema financeiro se impuseram. Forjou-se a prática do ordoliberalismo, ou seja, um capitalismo coordenado, com a participação ativa das organizações empresariais e de trabalhadores, dos Estados, das associações de bancos.

Num ambiente favorável à iniciativa privada, mas sob a égide da coordenação, nasceu a mais bem-sucedida economia europeia do pós-guerra, com alta complexidade industrial e financeira.

Nesse sistema, chama a atenção o papel decisivo dos bancos públicos, seja de poupança ou de desenvolvimento, estes últimos denominados promocionais. Eles convivem complementarmente com um forte sistema bancário privado.

O KfW, criado inicialmente com um fundo de reconstrução do pós-guerra, é o principal banco público de fomento. A instituição atua em ações estratégicas do Estado –como foram a reconstrução do país e a unificação com a Alemanha Oriental. O banco é peça decisiva em políticas industriais, no apoio ao comércio exterior, na infraestrutura, nas políticas de sustentabilidade energética e de preservação do ambiente.

O KfW foi eleito várias vezes como o banco mais seguro planeta e seus títulos são avidamente disputados por investidores, o que possibilita fundos baratos para os empréstimos da instituição na Alemanha e no exterior.

O exemplo alemão tem inspirado diversos países europeus a reforçarem os seus bancos públicos. Recentemente, diversas instituições dessa natureza foram criadas com o objetivo de ajudar na construção de um futuro melhor.

Assim segue a Europa: cuidando de seu jardim.

***

O relato acima serve para ilustrar que cada nação deve procurar em seu contexto a trilha de desenvolvimento.

Os brasileiros nunca se transformarão em alemães, tampouco passarão, de uma hora para outra, a agir como anglo-saxões –o que parece ser o desejo do momento.

Para seguir a rota de crescimento sustentado, é necessário entender que a maneira de fazer negócios não se altera por decreto. Cabe, pragmaticamente, aprimorá-la com base nos bons exemplos do mundo, no que são aqui aplicáveis.

***

O Brasil não cresce sustentadamente como deveria há décadas. Por trás disso, encontra-se a armadilha de juros altos e câmbio cronicamente sobrevalorizado. Esse problema é fundamental e precisa ser corrigido.

Mas o desenvolvimento não é apenas uma questão macroeconômica. Envolve diversos aspectos que favoreçam a decisão de investir, numa complexa agenda legal, financeira, produtiva.

Mais importante: no início e no fim da ideia de desenvolvimento está o ser humano. Este, sem sonho, é um ser triste e limitado. A busca de um futuro melhor é requisito básico para cerzir o roto tecido social.

 

Fonte e Imagem: Poder 360