Roteiro de economia criativa, associada ao design da capital federal, é aposta para movimentar o turismo de Brasília. Empresários e especialistas destacam que a cidade tem grande potencial para se tornar um grande centro do ramo

Há três anos, os traços e características de Brasília renderam o título de cidade criativa do design concedido à capital federal pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). A partir desse reconhecimento internacional, um roteiro turístico de economia criativa, associada ao design da cidade, se transformou em aposta para atrair turistas e empresários do ramo que desejam explorar Brasília de uma forma diferente. De acordo com especialistas, esse tipo de turismo é tendência no mundo e pode ser uma das maneiras de alavancar a economia local.

Ressignificar a W3 Sul e dar visibilidade a criadores brasilienses são ideais que fazem parte da filosofia de negócios de Miguel Galvão, 35. O empreendedor está a frente de dois projetos criativos de Brasília e diz que este mercado tem potencial na cidade. “São ideias, filosofias de vida e formas de expressão variadas que oferecem ao público experiências autênticas, orgânicas e únicas, que só existem em Brasília”, afirma Miguel. Apesar de acreditar na capacidade da capital federal de crescer junto a essa área, ele acredita que é preciso um incentivo maior. “Temos de ir muito além de apenas abrir a avenidas, como a W3, para passeio. Uma forte e ousada política de incentivo fiscal aos negócios criativos, assim como foi feito em outras experiências de sucesso, podem dar frutos incríveis a médio prazo”, completa.

Reinaldo Gomes, 44, é proprietário de uma empresa de produção cultural. Além de realizar eventos para exaltar a cultura local, produz conteúdos voltados ao tema. Ele também acredita que Brasília tem um bom potencial para crescer e se destacar na área de economia criativa. “Seja voltada ao design da cidade, às manifestações artísticas ou aos próprios artistas locais, aqui há diversas possibilidades para se trabalhar e fomentar este mercado”, considera. Além disso, ele explica que características da capital brasileira contribuem. “O clima, a disposição e as características de mobilidade são facilitadores para a implementação de roteiros turísticos voltados à economia criativa e ao design”, completa.

Para o empresário, a junção dessas áreas é um caminho fácil e certeiro para alavancar a economia local. “É um negócio limpo, criativo e que tem condições de beneficiar diversos setores ao mesmo tempo. É a economia do século 21. Por isso, acredito no investimento nesta modalidade”, afirma. Reinaldo ainda diz que iniciativas que fomentem este setor são necessárias para chamar a atenção de turistas, investidores e dos próprios brasilienses. “Muitas pessoas moram em Brasília e não conhecem a capacidade turística que a cidade tem além do que já é conhecido”, considera.

Além de atrair empresários, fomentar o turismo criativo atrelado ao design da cidade pode ser uma forma de chamar a atenção para o turismo na capital federal para além do roteiro de negócios e político. A coordenadora de Turismo do Serviço Social do Comércio do DF (Sesc-DF), Elisângela Barros Silva, também acredita que essa é uma oportunidade de mostrar um lado da cidade que muitos não conhecem. “A ideia é começar pelo que já é conhecido, mas acrescentar novas rotas e maneiras de se olhar para a cidade”, afirma.

A secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, afirma que a pasta tem a intenção de investir nesta área. “O turismo criativo sob o olhar do design é uma potência no mundo inteiro. Brasília se fortalece pela diversidade de experiências que oferece aos visitantes e moradores. Vai muito além do que as pessoas imaginam”, destaca. A secretária ainda diz que a junção das categorias é uma das apostas da pasta para fomentar o turismo local. “Brasília tem uma atratividade muito grande e profissionais muito capacitados e talentosos capazes de atraírem um público cada vez maior”, completa.

Itinerário

Em 2021, o Serviço Social do Comércio do DF (Sesc-DF) disponibilizará um roteiro turístico focado na economia criativa e design da capital federal. O intuito é apresentar um itinerário com atrativos que se enquadram no nicho contemporâneo de empreendimentos com o viés criativo na cidade. Serão manifestações culturais e instalações que destacam Brasília como cidade do design, o que inclui Itamaraty, Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, caminhada pela vizinhança da 308 Sul e, para finalizar, uma degustação gastronômica na Infinu.

 

Fonte e Imagem: Correio Braziliense