Ao apresentar as perspectivas para o mercado imobiliário nacional e da habitação de interesse social nesta quinta-feira (19/09), em Belo Horizonte (MG), durante o 1º Congresso do Mercado Imobiliário do Minascon 2019, o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, destacou a importância da indústria da construção para o País – freio ou acelerador da economia.

“O setor da construção civil é a locomotiva da economia brasileira. Presente desde o sonho da moradia digna até o emprego formal, o bom desempenho do setor contribui em muito para o aumento do investimento e do crescimento do País de maneira sustentável”, ressaltou Martins.

O executivo apontou que a cada R$ 1 milhão investido na construção civil, são gerados cerca de 11,40 empregos diretos e indiretos, além de R$ 772 mil em renda direta e indireta. As Regiões Sudeste e Centro-Oeste estão puxando o crescimento do mercado imobiliário no Brasil. No Sudeste, principalmente, a melhora se deve à economia mais pujante do que em outros Estados, especialmente em São Paulo. “A locomotiva da construção começou a andar com o mercado imobiliário e vai puxar o resto da economia”, disse Martins.

“Em relação à nova linha de crédito imobiliário indexada ao IPCA [ Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo], acredito que teremos um impacto imediato nas vendas, mas não uma significância tão grande. Os financiamentos da nova linha devem somar cerca de R$ 10 bilhões, o equivalente a cerca de 10% dos financiamentos já previstos no ano”, frisou

Participantes do painel 1º Congresso do Mercado Imobiliário do Minascon 2019 (Foto: Divulgação Sinduscon-MG)

A esperança, segundo Martins, é que a equipe econômica do Governo Federal consiga ajustar as contas públicas, gerar mais empregos, melhorar a renda do trabalhador e manter a tendência de queda dos juros aplicados nos financiamentos de imóveis.

“Ao que tudo indica, 2019 continuará a ser um bom ano para quem quer vender ou comprar um imóvel e também para quem quer investir no mercado, seja no setor residencial, cuja tendência são imóveis compactos com infraestrutura e a locação por temporada, seja no setor comercial, no qual as empresas têm apostado em um conceito mais colaborativo, com espaços mais amplos e menos divididos, seja ainda em fundos imobiliários, que voltam a ser uma boa opção de investimento”, diz.

Realizado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), o congresso integra o MinasCon 2019, evento unificado da construção civil e ponto de encontro entre os envolvidos na cadeia produtiva do segmento.

“O Sinduscon-MG mais uma vez segue na vanguarda ao promover debates construtivos e sustentáveis para o setor. E agora, teve a oportunidade de mostrar o que a construção civil faz de melhor, com o objetivo de gerar moradias dignas, respeitar o meio ambiente e contribuir para o crescimento de Minas Gerais e do Brasil”, menciona Geraldo Jardim Linhares Junior, presidente do sindicato.

O painel, que analisou as tendências do mercado imobiliário, também contou com as presenças de:

  • Teodomiro Diniz Camargos, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), como mediador
  • Geraldo Jardim Linhares Júnior, presidente do Sinduscon-MG

Durante o 1º Congresso do Mercado Imobiliário do Minascon 2019 também foram abordados os temas:

  • Impactos dos Planos Diretores nas cidades da RMBH
  • Direito imobiliário – Como trabalhar com a insegurança jurídica nos negócios imobiliários – Distrato Imobiliário
  • Como identificar as novas oportunidades no mercado
  • Gestão de negócios imobiliários
  • Marketing imobiliário – como trabalhar com ele

 

Fonte e Imagens: CBIC