Índice de Confiança do Empresário Industrial do Distrito Federal (Icei-DF) segue em alta. Superando o indicador de julho, que chegou a 50,6 pontos, em agosto o número subiu 3,5 pontos e alcançou 54,1 pontos. Os dados refletem uma melhora no cenário econômico, que devido à crise de saúde da covid-19 esteve em queda por três meses.

É o segundo mês consecutivo de crescimento, ou seja, com o Icei-DF acima da linha dos 50 pontos, que divide confiança de falta de confiança. Duas variáveis compõem a pesquisa: as condições atuais e as expectativas para os próximos seis meses. Os entrevistados são questionados sobre suas percepções quanto a economia nacional, a economia do DF e ao próprio negócio.

“O aumento da confiança foi influenciado diretamente pela reabertura do comércio, que voltou a demandar novos produtos da indústria”, afirma o presidente da Federação das Indústrias do DF (Fibra), Jamal Jorge Bittar. “É necessário que todos os setores da economia retomem as atividades, respeitando todas as normas sanitárias, para manter as boas expectativas decorrentes da possibilidade de elevação da produção e da recontratação de trabalhadores aos níveis medidos antes da crise da covid-19”, diz Jamal.

A alta da confiança dos empresários foi puxada principalmente pela expectativa para os próximos seis meses, o indicador cresceu 3,7 pontos. Passou de 60,1 pontos em julho para 63,8 pontos em agosto. O que mais contribuiu para isso foi a percepção sobre a economia da capital federal – alcançou 63 pontos. O avanço sinaliza que os industriais estão motivados e acreditam que a produção tende a aumentar.

Já o indicador de condições atuais permanece abaixo da linha de 50 pontos, chegou a 34,6 pontos. Embora esteja distante do esperado, sofreu leve aumento em relação ao mês passado, pois subiu 3,1 pontos. O sentimento sobre o próprio negócio foi o componente que teve maior recuperação, aumentou 4,9 pontos – de 32 para 36,9 pontos.

O Icei-DF é realizado mensalmente pela Fibra, em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi do DF (IEL-DF), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no DF e a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os dados foram coletados de 1º a 13 de agosto.

Fonte e Imagem: Sinduscon DF com informações Sistema Fibra.