Skip to Content

Blog

Concluída a Análise da Consulta Nacional da Norma de Desempenho

Na última quinta-feira, dia 14/01/2021, foi realizada, pela Comissão de Desempenho de Edificações (CE-002:136.001), a Reunião Especial de análise dos votos da Consulta Pública das três partes da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais – Desempenho:

  • Emenda 1 da ABNT NBR 15575-1 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 1: Requisitos Gerais
  • Emenda 1 da ABNT NBR 15575-4 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas – SVVIE
  • Emenda 1 da ABNT NBR 15575-5 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas

As três Emendas revisam parte do conteúdo, referente ao Desempenho Térmico, sendo mantido o restante inalterado.

Ressalta-se que a efetiva participação das entidades do setor, dentre elas a CBIC, no processo de revisão da norma, possibilitou a representatividade e uma ampla participação das partes interessadas desde a estruturação do texto base até a sua conclusão e disponibilização para a consulta nacional. Destacamos que os gestores da Comissão de Estudos – CE acolheram e analisaram todas as propostas de alteração, tendo sido incorporadas, em quase sua totalidade, as apresentadas pela CBIC.

Ao final da reunião foi externado, pelos representantes das entidades e demais participantes, a satisfação com a condução dos trabalhos, realizada de maneira fluida pela coordenação da CE e o reconhecimento da competência técnica dos envolvidos.

A revisão atualizou e incorporou expressivas melhorias nos textos referentes ao desempenho térmico, dentre as quais cabe destacar a atualização dos procedimentos de avaliação de desempenho térmico (Simplificado e Simulação Computacional), detalhamento dos critérios e métodos que se referem ao percentual de abertura para ventilação e elementos transparentes e ainda a melhoria de todo texto para melhor entendimento.

Discutidos e consensados os votos, a Comissão de Estudos deliberou pelo envio dos textos para Publicação, que serão atualizados na Norma de Desempenho – ABNT NBR 15575.

A Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade (Comat) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) por meio de seu Grupo de Acompanhamento de Normas Técnicas (GANT), divulgou e participou das reuniões de discussão dos textos propostos para as Emendas.

Para acompanhar as alterações de normas técnicas do setor da construção acesse o Portal de Normas Técnicas da CBIC. Através do cadastro gratuito poderá ter mais informações desta e de outras normas da ABNT.

O acompanhamento de normas é parte integrante do ‘Projeto Inovação e Tecnologia’ da CBIC com a correalização do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional).

 

Fonte e Imagem: CBIC

READ MORE

Equipamentos de proteção individual merecem atenção durante a pandemia

Dando continuidade à campanha lançada pela CBIC para evitar a disseminação do coronavírus, é importante lembrar de fazer a higienização frequente dos equipamentos de proteção individual (EPI’s) e também de não compartilhá-los.

O setor da construção já obedece a um rigoroso protocolo de segurança e da saúde do trabalhador,  e a adoção de todas as medidas de segurança no setor, em nível nacional, contribuiu até o momento para um baixíssimo nível de infecção em obras, o que permitiu a manutenção das atividades de construção, e não apenas preservação, mas a geração de novos empregos.

Acompanhe no Instagram da CBIC, os posts da campanha!

A matéria é parte integrante do “Projeto Elaboração e Atualização de Materiais Orientativos para a Indústria da Construção”, realizado pela Comissão de Políticas e Relações Trabalhistas (CPRT) da CBIC, com correalização do Serviço Social da Indústria (Sesi Nacional).

 

 

 

Fonte e Imagem: CBIC

 

 

READ MORE

Setor da construção é destaque no Jornal Nacional

A reportagem “Na construção civil, trabalhadores com experiência começaram o ano recebendo propostas de emprego” foi apresentada na última quinta-feira (14) em horário nobre da Rede Globo, no Jornal Nacional, e contou com entrevistas de profissionais da construção e de instituições como a Fundação Getúlio Vargas e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

“Em 2020, o que estimulou o nosso setor foram fatores como o baixo patamar da taxa de juros, o incremento do financiamento imobiliário. Para 2021, nós estamos aguardando um crescimento de cerca de 4% no nível de atividade no PIB. Caso isso ocorra, o setor poderá gerar mais de 200 mil novas vagas com carteira assinada”, afirma a economista Ieda Vasconcelos, do Cbic.

Leia a íntegra da reportagem no G1: https://glo.bo/2LTlujA ou assista na Globoplay: https://bit.ly/3nQ39RQ

 

Fonte e Imagem: CBIC

READ MORE

Construção civil tem oportunidades nesta segunda (18)

Agências do trabalhador trazem 108 vagas no setor, com salários de até R$ 2 mil

A semana começa com 611 oportunidades de emprego oferecidas por meio das agências do trabalhador do Distrito Federal. São 73 profissões que contemplam pessoas de todos os níveis de escolaridade, com ou sem experiência. Os salários podem chegar a R$ 2.581, mais benefícios como alimentação e transporte.

Nesta segunda-feira (18), a busca por profissionais da construção civil segue a tendência dos últimos dias, representando uma das áreas com mais contratações. São 108 vagas, três delas exclusivas para pessoas com deficiência (carpinteiro, pedreiro, eletricista). Entre as oportunidades, estão cargos de ajudante de serralheiro, carpinteiro, eletricista, pedreiro, pintor, servente de obras e soldador. Os salários ficam entre R$ 1,1 mil e R$ 2 mil, mais benefícios.

Para quem quer trabalhar com automóveis, há 23 vagas destinadas a mecânicos de veículos a diesel e de refrigeração, 12 para motofretistas e 14 para motoristas de automóveis, inclusive caminhões de guincho pesado e guindaste. As remunerações variam entre R$ 1,1 mil e R$ 2 mil, mais benefícios.

Entre as profissões pouco frequentes na tabela de vagas das agências do trabalhador, aparecem uma oportunidade para projetista de móveis, duas para oficial de manutenção predial, uma para operador de empilhadeira e uma para chaveiro. Nestas áreas, os salários são de R$ 1,1 mil, R$ 1,5 mil e R$ 1.730, mais benefícios.

Para se candidatar a qualquer uma das vagas, basta ir a uma das agências do trabalhador, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Empreendedores que desejam buscar profissionais também podem utilizar os serviços das agências do trabalhador. Além do cadastro de vagas, é possível usar os espaços físicos para seleção dos candidatos encaminhados. Para isso, basta acessar o site da Secretaria do Trabalho e preencher o formulário na aba empregador.

Confira, no site da Secretaria de Trabalho,  as vagas e o formulário a ser preenchido, caso você tenha interesse em alguma oportunidade.

Fonte: Agência Brasília

Imagem: Internet

READ MORE

Consultoria gratuita do Sebrae

Desenvolvimento de mídias sociais, implantação e readequação de delivery. Esses são alguns dos temas das consultorias do Sebrae DF em tempos de pandemia. Até 31 de março, será oferecida capacitação gratuita a micro e pequenos empresários da capital federal.

Finanças, vendas e marketing digital foram amplamente procurados pelos donos de pequenos negócios junto da instituição ao longo do ano passado.

Equilíbrio financeiro

Com a oferta dos serviços, o Sebrae espera ajudar os pequenos empresários a manter empreendimentos ativos e financeiramente equilibrados.

“No ano passado, foram realizadas mais de 140 mil horas de consultorias, sem nenhum custo”, destaca Valdir Oliveira, superintendente do Sebrae DF.

Para solicitar a consultoria, o interessado pode acessar a www.lojasebrae.df.sebrae.com.br

 

 

Fonte e Imagem: Correio Braziliense

READ MORE

Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020

É a maior taxa da série com desoneração, iniciada em 2013, diz IBGE

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) encerrou 2020 com alta de 10,16%, o que significa 6,13 pontos percentuais a mais que em 2019, quando registrou 4,03%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou o resultado hoje (12) é a maior taxa da série com desoneração, iniciada em 2013. Em dezembro de 2020, a elevação no índice ficou em 1,94%, superando em 0,12 ponto percentual a taxa do mês anterior, que tinha sido de 1,82%. Em dezembro de 2019, o resultado foi de 0,22%.

O custo nacional para o setor habitacional por metro quadrado, medido pelo Sinapi, passou para R$ 1.276,40 em dezembro. Nesse valor, R$ 710,33 se referem aos materiais e R$ 566,07 à mão de obra. Em novembro, o custo havia sido de R$ 1.252,10.

Para o gerente da pesquisa, Augusto Oliveira, a série foi muito impactada, a partir de julho, pelas altas sequenciais das parcelas dos materiais. “Em agosto, percebemos que a parcela dos materiais se descolou da outra parcela que compõe o índice, que é a da mão de obra, exercendo uma influência muito grande sobre o agregado”, comentou.

A maior variação mensal de 2020 em dezembro foi apresentada pela parcela dos materiais. Os 3,39% no mês mostram alta de 0,24 ponto percentual em relação ao mês anterior, quando ficou em 3,15% e de 3,52 pontos percentuais frente a dezembro de 2019. Neste período houve recuo de 0,13%. A parcela da mão de obra ao registrar taxa de 0,18%, caiu 0,07 ponto percentual em relação ao mês anterior, quando era de 0,25% e 0,41 ponto percentual em relação à taxa de dezembro de 2019 (0,59%).

Na visão do gerente da pesquisa, a pandemia de covid-19, ainda que por razões diversas, explica, em parte, as elevações no segmento de materiais. “Pequenas obras, feitas em casa, aqueceram o mercado durante a pandemia e esta demanda interferiu na oferta de materiais. Indústrias foram afetadas com limitação de pessoal ou de oferta de matéria-prima. Várias situações de mercado, em um período atípico, levaram a um quadro de aceleração dos preços no segmento de materiais e insumos da construção civil, em especial aço, cimento e condutores elétricos, dentre outros”, observou.

Nos materiais, a alta no acumulado no ano de 2020 ficou em 17,28%, enquanto em 2019 foi 4,54%. Já a parcela do custo com mão de obra, chegou a 2,33%, contra 3,47% no ano anterior.

Regiões

Conforme o IBGE, a Região Nordeste foi a que teve maior variação regional em dezembro (2,37%) e o maior resultado acumulado em 2020 (12,50%). Os resultados foram influenciados pela alta significativa na parcela dos materiais. No Norte houve alta de 1,75%, no Sudeste de 1,69%, no Sul de 2,27% e de 1,35% no Centro-Oeste.

Por metro quadrado, os custos regionais ficaram em R$ 1.289,71 no Norte, em R$ 1.201,17 no Nordeste, em R$ 1.319,86 no Sudeste, em R$ 1.335,31 no Sul e em R$ 1.260,87 no Centro-Oeste. A pesquisa mostrou que Roraima, com alta de 3,41%, ficou com a maior taxa em dezembro de 2020. Já no acumulado do ano, foi a Bahia que apresentou a maior taxa (17,08%), registrando o maior acumulado da parcela dos materiais (28,09%).

Sinapi

O objetivo do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil é a produção de séries mensais de custos e índices para o setor habitacional, e de séries mensais de salários medianos de mão de obra e preços medianos de materiais, máquinas e equipamentos e serviços da construção para os setores de saneamento básico, infraestrutura e habitação.

O Sinapi é elaborado pelo IBGE em conjunto com a Caixa Econômica Federal. A responsabilidade da coleta, da apuração e do cálculo é do Instituto. A Caixa, cabe a definição e manutenção dos aspectos de engenharia, como projetos e composições de serviços. “As estatísticas do Sinapi são fundamentais na programação de investimentos, sobretudo para o setor público. Os preços e custos auxiliam na elaboração, análise e avaliação de orçamentos, enquanto os índices possibilitam a atualização dos valores das despesas nos contratos e orçamentos”, explicou IBGE.

Fonte e Imagem: Agência Brasil

READ MORE

Estudos apontam que energia solar se tornará a principal fonte de geração de energia elétrica da população até 2050

Todo este aumento na energia elétrica e energia solar, e mais, será atingido por meio de energias renováveis, que crescerão de forma acelerada até 2050, segundo os especialistas da Starkraft. O relatório prevê um crescimento na geração de energia solar na ordem de 12% ao ano, em média, enquanto a geração de energia eólica aumentará em mais de 8% ao ano. Já a energia elétrica crescerá de forma mais lenta quando comparada a outras fontes, em uma média prevista de 1,5% ao ano.

Mercados emergentes além da energia solar

Além da energia solar e energia elétrica, o Gás Natural, fonte amplamente utilizada em países como EUA e Rússia, deverá apresentar crescimento de 39,47% em sua capacidade instalada nesse mesmo período, subindo de 1,9 TW para 2,65 TW. Contudo, a IEA estima que o maior crescimento será protagonizado pela geração de energia solar fotovoltaica, que deverá atingir uma capacidade instalada mundial de 3,142 TW até 2035 afirmaram os Especialistas.

O volume será maior do que qualquer outra das fontes atuais, renovável ou não, incluindo a eólica, hídrica, gás natural e carvão. Com base na tendência atual, o estudo dos especialistas afirma que as fontes de energia alternativas continuarão dominando o crescimento da geração em energia elétrica mundial, respondendo por 2/3 dos 8,5 TW de nova capacidade que devem ser instalados até 2040.

Crescimento concentrado e controlado

Esse crescimento de energia solar e energia elétrica não será homogêneo e sim concentrado em países como China e União Europeia (UE), que deverão apresentar até 80% de suas matrizes elétricas por fontes de energia limpa, enquanto no restante do mundo elas responderão por menos da metade da geração.

Os investimentos em renováveis incluindo a energia solar e eólica, que ano passado foi de U$390 bilhões, deverão se manter em torno de U$440 bilhões até 2030, sugere a IEA, abaixo dos U$650 bilhões necessários para atingir as metas de sustentabilidade do setor elétrico mundial.

 

Fonte e Imagens: Click Petróleo e Gás

 

 

READ MORE

Novo regulamento para construção de unidades habitacionais

Medida vale para associações e cooperativas credenciadas na Codhab

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab-DF) alterou o regulamento e disponibilização de áreas/glebas e lotes às associações e cooperativas credenciadas para construção de unidades habitacionais. A partir de agora, além da modalidade sorteio, os lotes serão distribuídos por meio de edital de chamamento.

Dessa forma, as entidades deverão comprovar que possuem capacidade técnica e financeira para ofertar moradias, para  atender à política habitacional de interesse social do DF. Isso vai permitir a viabilização de projetos sem que haja interferência na sua execução, ou seja, as áreas destinadas à oferta de moradia popular terão sua devida finalidade no tempo certo.

Para participar dos sorteios ou editais de chamamento é necessário:

a) estar devidamente credenciadas na Codhab;
b) estar devidamente em dia com suas obrigações financeiras junto à Codhab;
c) obrigatoriamente consorciadas à construtora/incorporadora para implantação de
empreendimento habitacional de interesse social;
d) fica facultado às associações e/ou cooperativas agruparem entre si, formando
consórcios de no máximo 05 (cinco) entidades;
e) manifestar interesse nas áreas/glebas divulgadas, via aplicativo da Codhab;
f) atender aos requisitos previstos na Lei nº 3.877/2006, legislações e
regulamentações correlatas.

“A regulamentação desses critérios vai avaliar as entidades (cooperativas/associações) e as empresas por elas contratadas, objetivando estabelecer critérios com maior potencial para executar a obra e conceder efetivamente à política pública. Ainda se pretende evitar com essa ação, fatos como os ocorridos em edital de 2011, cujas obras em alguns casos ainda não se iniciou”, afirma o diretor imobiliário Marcus Palomo.

Os editais serão publicados no DODF e divulgados no portal oficial da Codhab.

 

Fonte: Agência Brasília com informações da Codhab

Imagem: Internet

READ MORE

Quem são e como atuam os candidatos à presidência da Câmara dos Deputados?

* Por Lydia Assad

Na última quarta-feira (01/06), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, confirmou que a eleição da Mesa Diretora da Casa acontecerá no próximo dia 2 de fevereiro. Ainda não há a votação será realizada de forma presencial, remota ou híbrida. Enquanto isto não é decidido, os deputados se concentram em fazer campanha para os postulantes ao cargo que já oficializaram suas candidaturas. Novos parlamentares, porém, podem entrar na disputa até a véspera da eleição.

Entender os perfis de cada um destes candidatos é importante para avaliar como costumam atuar na articulação com os colegas de Casa, quais assuntos são mais tratados nos projetos para seus mandatos, como votam nos assuntos mais polêmicos, como é o envolvido nas comissões e a identidade em votações com outros parlamentares, isto é, quem vota parecido e quem diverge em cada assunto.

Por enquanto, quatro parlamentares oficializaram a participação no pleito para a sucessão de Rodrigo Maia. São eles Baleia Rossi (MDB-SP), Arthur Lira (PP-AL), André Janones (Avante-MG) e Capitão Augusto (PL-SP).

Baleia Rossi (MDB-SP)

Baleia Rossi é paulistano, mas teve sua trajetória política construída em Ribeirão Preto, interior do estado de São Paulo. Filho do ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi (Dilma), foi eleito deputado federal pela primeira vez em outubro de 2014 e está atualmente, no segundo mandato. É o atual presidente do partido e líder do MDB na Casa desde 2016.

O deputado Baleia Rossi conta com o apoio do atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e de 11 partidos – PT, PSL, MDB, PSB, PSDB, DEM, PDT, Cidadania, PV, PCdoB e Rede. Juntas, como siglas somam 261 parlamentares. Vale lembrar que a decisão do partido em apoiar um candidato não é garantia de voto, uma vez que, o voto é individual e secreto.

Apesar do apoio do presidente da Casa, Rodrigo Maia, durante todo o período em que exerceram o mandato juntos, os dois parlamentares só votaram da mesma forma em 72,3% das vezes. Foram 304 votações nominais em plenário. Em compensação, com seu principal adversário na disputa pelo comando da Câmara, Arthur Lira, Baleia Rossi votou da mesma maneira em 89% das 552 votações. Isso mostra que, apesar de estarem de lados opostos no atual pleito pela presidência da Casa, os dois candidatos têm posturas próximas nas votações de proposições parlamentares na Câmara.

Rossi é uma referência também no que se trata de alinhamento com as posições dos colegas de partido na casa. Ele votou junto com a maioria da bancada do MDB em 92,63% das votações que participaram. Desde o primeiro mandato, que assumiu em 2015, Rossi foi autor de 67 requerimentos, 45 projetos de lei e 6 propostas de emenda à Constituição (PECs). Entre os termos mais usados ​​nos projetos do parlamentar estão “tributação”, “estado de São Paulo” e “Tribunal de Contas da União”.

Aceita apenas o ano de 2020, o parlamentar apresentas 79 proposições. Em 2019, foram 37 e, entre elas, está uma proposta de reforma tributária (PEC 45/19) que extingue com três tributos federais (IPI, PIS e Cofins), o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal.

Tais dados indicam que ele tem um perfil de propositor, sendo autor de diversos novos projetos de lei geral sobre assuntos relacionados ao direito empresarial e tributário.

Arthur Lira (PP-AL)

O deputado alagoano Arthur Lira, do Progressistas (PP), ocupa cargos públicos desde 1992. Foi vereador em Maceió e deputado estadual em Alagoas por dois mandatos. Elegeu-se deputado federal em 2010 e não está seu terceiro mandato.

No atual pleito para a presidência da Câmara, Arthur Lira tem o apoio de nove siglas – PL, PP, PSD, Republicanos, Solidariedade, Pros, Patriota, PSC e Avante. Os partidos reúnem 196 parlamentares. Lira também é apoiado nos bastidores pelo presidente da República, Jair Bolsonaro.

O deputado presidiu a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) em 2015 e a Comissão de Mista de Orçamento (CMO) em 2016. Nas votações no plenário da Câmara, votou junto com o partido em 84,97% delas. Por este critério, sua identidade partidária é mais fraca que a do seu concorrente, Baleia Rossi, ainda que também tenha sido líder de seu partido na casa, entre 2012 e 2013.

As proposições de sua autoria, desde o primeiro mandato, incluem 303 requerimentos, 14 projetos de lei e 2 propostas de emenda à Constituição (PECs). Entre os termos mais usados ​​nos projetos do parlamentar estão “recursos”, “vulnerabilidade econômica” e “lei orgânica dos partidos políticos”. Apenas em 2020, o parlamentar apresentou 335 proposições. Enquanto em 2019, o parlamentar apresentam apenas 34 proposições.

Os tipos de proposições parecem pelo deputado e as comissões das quais participa indicam que o parlamentar tem um perfil mais voltado para a articulação interna, o que também está relacionado ao seu papel como líder partidário desde o ano passado. Além disso, fica claro um aumento de envolvimento, ao longo do ano de 2020, em temas mais ligados ao dia a dia dos projetos e das tarefas chave da Casa. Durante todos os seus mandatos, a Comissão de que mais participou de um CCJC. Lira tem também se tópicos em temas associados às regras de funcionamento dos partidos políticos.

Outros candidatos

Outros dois candidatos têm movimentado a disputa e levantando pontos importantes nas responsabilidades sobre o pleito. São eles André Janones (Avante-MG) e Capitão Augusto (PL-SP). Interessante notar que ambos integram partidos que apoiam o candidato Arthur Lira.

Janones é advogado e não está no primeiro mandato do deputado federal. Na Câmara, foi titular da Comissão de Segurança Social e Família de duas comissões que investigaram o desastre em Brumadinho (MG) – comissão externa e comissão parlamentar de inquérito (CPI).

Quanto à fidelidade partidária, Janones tem um índice de alinhamento relativamente baixo à maior parte da bancada de seu partido. Votou junto com seus colegas em apenas 53% das votações. Além disso, diverge de Baleia Rossi e Arthur Lira em mais de 50% das votações em que esteve na Casa com os adversários.

Já Capitão Augusto (PL-SP) é deputado federal desde 2015, tendo sido deputado estadual em São Paulo antes de ser eleito para a Câmara. O parlamentar atua especialmente em prol de causas ligadas a bancadas temáticas, como as frentes parlamentares das áreas de segurança pública (que preside), combate à corrupção, defesa da Operação Lava Jato e temática religiosa.

Presente em diversas comissões ao longo dos dois mandatos, a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado foi uma das que mais participou – esteve por cinco períodos como membro titular, mais de 1500 dias. Além disso, os temas mais presentes nos 144 projetos de lei implementada pelo parlamentar são, em geral, associados à regulação das Forças Armadas, das polícias e outros órgãos de segurança pública.

* Lydia Assad, da Inteligov. Gerente de contas estratégicas e especialista em Relações Institucionais e Governamentais

Os dados fornecidos no artigo foram retirados dos perfis dos parlamentares disponibilizados pela plataforma de inteligência e monitoramento legislativo Inteligov. Para mais informações acesse: inteligov.com.br

 

Fonte e Imagem: Estadão

READ MORE

Seguro Risco de Engenharia

Solução

É uma forma de garantir o cumprimento de obrigações estabelecidas entre o Construtor e o Contratante ou Agente Financeiro.

Construtoras e Empreiteiros, de todos os tamanhos, sobretudo os que atuam junto à Administração Pública, para atender exigências contratuais e legais precisam apresentar garantia visando o cumprimento de obrigações, para participar de licitações, assinar contratos e garantir processos judiciais.

A solução é uma alternativa à caução ou fiança bancária quando instituição pública ou privada solicita garantia nos contratos de construção, prestação de serviços, fabricação ou fornecimento de bens e materiais diversos.  O seguro garantia também pode ser utilizado em ações ou recursos judiciais da ordem Cível e Trabalhista, frente ao poder judiciário; no cumprimento de Contratos de Financiamentos junto a um Agente Financeiro; e até permuta imobiliária.

Vantagens

  • Não toma limite de Crédito Bancário
  • Mais vantajoso para sua empresa do que fiança bancária
  • Não imobiliza recursos financeiros, como a Caução
  • Depois de aprovado o risco de crédito, agilidade nas contratações das apólices

Principais modalidades de Garantia que operamos

  • Seguro Garantia Imobiliária (Garantia Permuta)
  • Seguro Garantia Construtor
  • Seguro Garantia Término de Obras Programa Casa-Verde Amarela
  • Seguro Garantia Pós-Entrega Programa Casa-Verde Amarela
  • Seguro Garantia Infraestrutura
  • Seguro Garantia de Execução
  • Seguro Garantia Judicial e Recursal

Contact Info

READ MORE