Depois de ser confirmado pelo Codese-DF que a entidade pagaria o aluguel por um mês, o governador Ibaneis Rocha decidiu que ele mesmo arcará com o custo.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Sustentável do DF (Codese) será a entidade civil com maior representatividade no governo de transição do Distrito Federal. Terá 24 membros. E, em razão disso, tinha informado que iria custear a locação de um espaço no Centro Internacional de Convenções de Brasília – CICB, para a realização dos trabalhos da equipe de transição do próximo governo do DF. No entanto, Ibaneis decidiu não aceitar a parceria. Informou que vai ele, como pessoa física, arcar com o custo de R$ 49 mil. Em 2018, ocorreu o mesmo.

Ao blog, o presidente do Codese, Leonardo Ávila, explicou que o dinheiro que a entidade usaria para para o aluguel é do caixa próprio Conselho. O contrato de aluguel já tinha sido assinado, com vencimento do pagamento previsto para o dia 29 de novembro.

“Já estávamos preparados para essa parceria já no período de campanha eleitoral, quando realizamos sabatinas com todos os candidatos. E eles assinaram uma carta-compromisso com as nossas sugestões, que são da sociedade civil. Não representamos apenas empresários. Temos no Conselho a participação dos mais diversos setores. E acima de tudo somos apartidários. Qualquer que fosse o governador eleito faríamos isso para garantir um espaço neuro de trabalho”, esclareceu.

A iniciativa na escolha do CICB, segundo o governador Ibaneis Rocha, é oportuna por ser um espaço neutro para atuação de todos os participantes. Ibaneis decidiu arcar com os custos para não alimentar polêmicas sobre a parceria com o setor privado.
O presidente do CODESE/DF, Leonardo Ávila, destacou que o Conselho “não esperava nenhuma contrapartida por parte do governo, exceto a implementação das políticas públicas que constam do documento O DF QUE A GENTE QUER, VISAO 2040, que foi um compromisso assumido durante as sabatinas com todos os candidatos ao GDF”

FONTE: https://blogs.correiobraziliense.com.br/capital-sa/2022/11/07/empresas-poderao-se-instalar-as-margens-das-rodovias-no-df/