Skip to Content

Category Archives: Notícia

PIB da construção cresce 1,1% no terceiro trimestre.

 

SindusCon-SP atribui boa parte do resultado às obras da construção residencial 

O PIB (Produto Interno Bruto) da construção se elevou em 1,1% no terceiro trimestre de 2022, na comparação com o trimestre anterior. O indicador foi divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 1 de dezembro.

De acordo com Eduardo Zaidan, vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, “boa parte desse crescimento se deve à construção residencial, que deu início a obras contratadas no ano passado. Entretanto, há sinalização de desaceleração do ritmo de crescimento da indústria da construção a partir deste último trimestre, por conta da redução do volume de lançamentos.”

Comparação com o mesmo período de 2021 

Na comparação com o terceiro trimestre de 2021, o PIB da construção cresceu 6,6% – resultado corroborado pela elevação do emprego no setor, segundo o IBGE.

Crescimento no acumulado 

No acumulado dos quatro últimos trimestres, o PIB da Construção se elevou em 8,2%, em relação ao acumulado dos quatro trimestres anteriores.

Desempenho das atividades imobiliárias 

De seu lado, as atividades imobiliárias registraram elevação de 1,4% no terceiro trimestre, na comparação com o anterior. Em relação ao terceiro trimestre do ano passado, houve aumento de 3,2%. Na comparação do acumulado dos quatro últimos trimestres com os quatro anteriores, houve crescimento de 2,3%.

FBCF e taxa de investimento 

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) cresceu 2,8%, na comparação com o trimestre anterior, completando seis trimestres de crescimento consecutivo.

Já a taxa de investimento ficou em 19,6% do PIB no terceiro trimestre, ligeiramente acima dos 19,4% registrados no mesmo período do ano passado.

Sobre o SindusCon-SP

SindusCon-SP é a maior associação de empresas da indústria da construção na América Latina. Congrega 850 construtoras associadas e representa as cerca de 50 mil empresas de construção residencial, industrial, comercial, obras de infraestrutura e habitação popular, localizadas no Estado de São Paulo. Tem sede na capital paulista, e representações em nove regionais e uma delegacia nos principais municípios do Interior. A construção paulista representa 27,6% da construção brasileira, que por sua vez equivale a 4% do PIB brasileiro.

Informações para a imprensa – Daniela Barbará – (11) 3334-5659 – dbarbara@sindusconsp.com.br

Sinduscon SP

Daniela Barbará
dbarbara@sindusconsp.com.br
(11) 3334-5659 / (11) 96309-5960

Você está recebendo este email por estar cadastrado nas editorias Construção Civil.

Caso não trabalhe mais com estas editorias, altere aqui seu cadastro ou se este conteúdo não tem relação com estas editorias, reporte aqui.

Caso não queira receber mais conteúdos cancele aqui sua inscrição.

 

[Mensagem cortada]  Exibir toda a mensagem

READ MORE

Rose Rainha é a 1ª mulher eleita superintendente do Sebrae-DF.

 

 

 

A  Asbraco em nome do seu  Presidente Afonso Assad vem parabenizá-la, A advogada especialista em gestão Rose Rainha por ser  a primeira mulher   eleita como superintendente do SEBRAE/DF, nesta quarta-feira (23/11), por unanimidade, com apoio do setor produtivo e GDF  .

Aproveitamos o ensejo para desejar votos de êxito e sucesso nessa nova etapa, e colocamo-nos a disposição. “disse  Afonso Assad.

Rose Rainha já atuava no Sebrae-DF como diretora técnica. Ela ascendeu à função de superintendente com aval dos representantes do setor produtivo, do Governo do DF e do governo federal.

“O Sebrae tem compromisso muito forte com o setor produtivo. Para mim, é uma honra ter o apoio e a confiança da área”, disse Rose Rainha.

fonte: Jornal Metrópole.

A partir de janeiro de 2023, ela assumirá a principal cadeira do órgão, no lugar que hoje é de Valdir Oliveira. O mandato é de quatro anos.

É a primeira vez que a diretoria executiva do Sebrae-DF será composta exclusivamente por mulheres. Adélia Carvalho foi eleita diretora administrativa e Diná vai assumir a função de diretora técnica.

 

READ MORE

Reunião de Diretoria.

*Reunião de Diretoria confirmada ✅*

A próxima reunião de diretoria contará com a presença do  *Presidente do Banco Brb Senhor Paulo Henrique Costa.*

O encontro, realizado na quarta-feira (23), começará, excepcionalmente, às 8h30, em formato híbrido e online via plataforma Zoom.

Sua participação faz toda a diferença, fiquem atentos aos seus direitos e deveres como associados.

✅Sua participação é a sua voz!

Confirme sua presença!

Dúvidas

 

READ MORE

Reunião de Diretoria contará com a presença do secretário de Obras e Infraestrutura do Distrito Federal, Luciano Carvalho.

Reunião confirmada ✅

A próxima reunião de diretoria contará com a presença do secretário de Obras e Infraestrutura do Distrito Federal, Luciano Carvalho.

O encontro, realizado em conjunto com a Asbraco, começará, excepcionalmente, às 8h30, em formato híbrido: presencial na sala Luiz Carlos Botelho Ferreira e online via plataforma Zoom.

Confira os temas a serem abordados:

✔️Relatório de Gestão 2019-2022
✔️Plano de Ação 2022-2026
✔️Reequilíbrio dos contratos
✔️Building Information Modeling (BIM)
✔️Orçamento da Secretaria de Obras do DF

Marque na agenda!

🗓 22 de novembro, terça-feira, às 8h30
📍 Híbrido, na Sala Luiz Carlos Botelho Ferreira, na sede do Sinduscon-DF e transmissão Via Zoom Meeting

Inscrições online:https://bit.ly/3hPZ1nx

READ MORE

Após gerar 430 mil novas vagas, construção civil deve crescer 4,5% em 2023, diz estudo Projeção é que o setor termine este ano com uma alta de 3% na comparação com 2021

Após gerar 430 mil novas vagas, construção civil deve crescer 4,5% em 2023, diz estudo

Projeção é que o setor termine este ano com uma alta de 3% na comparação com 2021

Construção de edifícios foi responsável por 49,78% dos novos empregos no setor

“O que vai impulsionar essa alta será a estabilidade do preço dos materiais de construção e uma melhora na economia do país, gerando uma confiança no consumidor e impactando na venda de imóveis e em novos financiamentos”, afirma.

Construções de residências e reformas de casa também são destaques para o próximo ano. “Há um aumento de novos projetos elaborados para obras de planta baixa. Ou seja, essas construções serão realizadas nos próximos meses e irão continuar ao longo de 2023”, diz.

 

O setor da construção civil registrou mais de 430 mil novas vagas com carteira assinada entre março de 2020 a maio de 2022, de acordo com pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). A partir destes dados, a Prospecta Analytica, companhia de solução em Big Data, realizou um levantamento que mostrou a expansão do setor neste ano e para o ano seguinte.

Segundo Wanderson Leite, CEO da Prospecta Analytica, a previsão para 2023 é de um crescimento de 4,5%, caso a economia permaneça sem grandes perdas ou crises.

“O que vai impulsionar essa alta será a estabilidade do preço dos materiais de construção e uma melhora na economia do país, gerando uma confiança no consumidor e impactando na venda de imóveis e em novos financiamentos”, afirma.

Construções de residências e reformas de casa também são destaques para o próximo ano. “Há um aumento de novos projetos elaborados para obras de planta baixa. Ou seja, essas construções serão realizadas nos próximos meses e irão continuar ao longo de 2023”, diz.

Cenário de 2022

Os dados mostraram que, pelo segundo ano consecutivo, o crescimento do setor está acima da economia nacional.

A quantidade de novas obras e projetos registraram um crescimento de 3% no primeiro semestre deste ano, comparando com o mesmo período de 2021. Neste mesmo tempo, foram criadas 155.507 mil vagas, um incremento de 6,74%. O mês de julho deste ano gerou 32 mil novos empregos na construção civil.

Os resultados de geração de emprego do setor nos primeiros semestres de 2021 e 2022 são os melhores para o período desde 2012.

São Paulo foi o estado que mais gerou trabalhos neste ano. Só em fevereiro de 2022 foram 12.540. O Rio de Janeiro vem em segundo lugar com 3.601 novos empregos no mesmo mês.

A construção de edifícios foi responsável por 49,78% dos novos empregos no setor.

Para Leite, esta análise permitiu entender o que está acontecendo no mercado. “Durante a pandemia, houve um número expressivo de reformas em casa, pois com o trabalho em home office, as pessoas se viram obrigadas a melhorar tanto o espaço para escritório quanto para o lazer. Isso deu um fôlego para o comércio de construção”, disse.

Ele explicou que o atraso no crescimento se deu pela falta de materiais de construção e aumento nos preços da matéria-prima, ocasionando uma pausa na indústria e diminuição de efetivo. “Isso aconteceu principalmente na indústria de materiais de cobre e de porcelana, como louças sanitárias e revestimentos”, pontua.

No início de 2022, o preço começou a se estabilizar, momento em que a construção voltou a crescer. Isso refletiu também na estabilização do valor do metro quadrado construído, que está em média R$ 1.661,85.

Esse cenário, segundo Leite, projeta que o setor termine este ano com uma alta de 3%, comparando com 2021.

“A indústria da construção deve terminar o ano empregando 3 milhões de pessoas, direta e indiretamente”, afirma.

Foto: José Paulo Lacerda – CNI / Agência Brasil

Diego Mendesdo CNN Brasil Business

São Paulo

https://www.cnnbrasil.com.br/business/apos-gerar-430-mil-novas-vagas-construcao-civil-deve-crescer-45-em-2023-diz-estudo/

READ MORE

O 27º Congresso brasileiro de Engenheiros Civis é um evento nacional que reúne profissionais e estudantes de engenharia civil, visando discutir e valorizar a profissão e trazer conhecimentos atualizados sobre a área.

O 27º Congresso brasileiro de Engenheiros Civis é um evento nacional que reúne profissionais e estudantes de engenharia civil, visando discutir e valorizar a profissão e trazer conhecimentos atualizados sobre a área.

*PROGRAMAÇÃO SUJEITA A ALTERAÇÕES, SEM AVISO PRÉVIO*

21/11 (segunda-feira)

9h Credenciamento

19h Sessão Solene de Abertura do 27º CBENC

 

22/11 (terça-feira)

8h30 SEGURANÇA HÍDRICA – CENÁRIOS E DESAFIOS PARA A POLÍTICAS PÚBLICAS E PARA A ENGENHARIA BRASILEIRA

Engª Civil Drª Cristiane Collet Battiston

Mediador: Engª Civil Lelia Barbosa de Souza Sá

 

10h NOVAS PERSPECTIVAS NO SANEAMENTO COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO

Eng. Civil MSC Miguel Alvarenga Fernández y Fernández

Mediador: Eng. Civil Hassan Mohamad Barakat

 

11h ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DA CONCESSÃO A EXCLUSIVIDADE

Eng. Civil Dr Dante Alves Medeiros

Mediador: Eng. Civil/Quimico/Seg. do Trabalho Francisco Augusto Foggiato Alvim

 

14h ENGENHARIA GEOTÉCNICA

Eng. Civil Dr Carlos Medeiros

Mediador: Eng. Civil e de Seg. do Trabalho Antonio Carlos Amaral Ribeiro

 

15h ENGENHARIA E MARCA PESSOAL

Eng.ª Civil Drª Edna Possan

Mediador: Eng.ª Civil Karlize Posanske da Silva

 

16h O PAPEL DA ENGENHARIA NA DIVERSIFICAÇÃO E EXPANSÃO DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

Eng. Civil Ricardo Ferreira

Mediador: Eng. Civil João Luís de Oliveira Collares Machado

 

17h INVESTIGAÇÃO DE INCÊNDIO NA BOATE KISS (Circunstâncias, fatos, ações, omissões, ameaças e vulnerabilidades consideradas)

Eng. Civil Ten. Cel. Rodrigo Freitas

Mediador: Eng. Civil Cel. Romário Aurélio Pereira da Silva

 

23/11 (terça-feira)

8h30 MÚTUA VOLTADA AO PROFISSIONAL

Eng. Agrônomo Francisco Almeida

Mediador: Eng. Civil Carlos Eduardo Domingues e Silva

 

10h PATOLOGIAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO – Estudos de Casos

Eng Civil Jaime Veiga

Mediador: Eng Civil e Seg do Trabalho Lamartine Moreira

 

11h INSPEÇÃO PREDIAL E MANUTENÇÃO DE EDIFICAÇÕES: Estudo de casos nas inspetorias do Crea-PR

Eng. Civil Dr. Ricardo Rocha de Oliveira

Mediador: Eng Civil Maria de Fátima Ribeiro Có

 

14h PAVIMENTO URBANO DE CONCRETO COMO  SOLUÇÃO ECONÔMICA PARA VIAS URBANAS.

Eng. Civil Fernando Crosara

Mediador: Eng. Civil Carlos Eduardo de Vilhena Paiva

 

15h POR QUE OS PAVIMENTOS BRASILEIROS ESTÃO AQUÉM DO QUE PODERIAM E DEVERIAM SER.

Eng. Civil Prof. Dr. José Leomar Fernandes Júnior

Mediador: Eng. Civil Daltro de Deus Pereira

 

16h DESAFIOS DA ENGENHARIA CIVIL NOS SISTEMAS DE TRANSPORTES

RODO-FERROVIÁRIOS DO BRASIL

Eng. Civil Dr Rubens e Barreto Ramos

Mediador: Engª Civil Maria do Socorro Gomes Araripe Seabra

 

17h ENCERRAMENTO – CARTA DE BRASÍLIA

Eng. Civil Luiz Capraro, Engª Civil Vera Lucia de Lima Gomes,

Engª Civil Rejane Mara Castiglioni

———————

**MEIA ENTRADA APENAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO**

**ESTUDANTES PRECISAM LEVAR A CARTEIRINHA OU O COMPROVANTE DE MATRÍCULA NO DIA DA INSCRIÇÃO!**

PARA SE INSCREVER NOS MINICURSOS  ACESSE: CLIQUE AQUI

4ª Jornada de Cursos da ABENC

Eng. Civil  Antônio Carlos de Aragão

 

MINICURSOS

21 de Novembro de 2022

9h às 12h

 

1 – AS BOAS PRÁTICAS DE PAREDES DE CONCRETO E A NOVA EDIÇÃO DA

NORMA DO SISTEMA DE PAREDES DE CONCRETO.

Ministrante: Eng. Civil Rubens Monge

 

2 – GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

Ministrante: Eng. Ambiental Felipe Marcel Dalmas Kotwiski

 

3 – SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DE INCÊNDIO E EVACUAÇÃO

Ministrante: Eng. Civil Ten. Cel. Rodrigo Almeida Freitas

 

14h às 18h

 

4 – ANÁLISE DE VIABILIDADE, PROJETO E INSTALAÇÃO DE SISTEMAS

FOTOVOLTAICOS.

Ministrante: Eng. Civil Ricardo Ferreira

 

5 – PROJETO DE REQUALIFICAÇÃO ESTRUTURAL.

Ministrante: Eng. Civil Dr. Alexandre de  Moraes Ferreira

 

4ª Jornada de Trabalhos TÉCNICOS ACADÊMICOS

Eng. Civil  Paulo Salomão

Inscrevam seus trabalhos. Prêmio para os 3 melhores trabalhos.

PARA MAIS INFORMAÇÕES:

(44) 9 9990-8995 – Flavia (apenas Whatsapp)

27CBENC@gmail.com

https://www.sympla.com.br/evento/27-congresso-brasileiro-de-engenheiros-civis/1727439?lang=PT

READ MORE

Ibaneis vai pagar do próprio bolso aluguel para CICB ser sede do governo de transição no DF.

Depois de ser confirmado pelo Codese-DF que a entidade pagaria o aluguel por um mês, o governador Ibaneis Rocha decidiu que ele mesmo arcará com o custo.
O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Sustentável do DF (Codese) será a entidade civil com maior representatividade no governo de transição do Distrito Federal. Terá 24 membros. E, em razão disso, tinha informado que iria custear a locação de um espaço no Centro Internacional de Convenções de Brasília – CICB, para a realização dos trabalhos da equipe de transição do próximo governo do DF. No entanto, Ibaneis decidiu não aceitar a parceria. Informou que vai ele, como pessoa física, arcar com o custo de R$ 49 mil. Em 2018, ocorreu o mesmo.

Ao blog, o presidente do Codese, Leonardo Ávila, explicou que o dinheiro que a entidade usaria para para o aluguel é do caixa próprio Conselho. O contrato de aluguel já tinha sido assinado, com vencimento do pagamento previsto para o dia 29 de novembro.

“Já estávamos preparados para essa parceria já no período de campanha eleitoral, quando realizamos sabatinas com todos os candidatos. E eles assinaram uma carta-compromisso com as nossas sugestões, que são da sociedade civil. Não representamos apenas empresários. Temos no Conselho a participação dos mais diversos setores. E acima de tudo somos apartidários. Qualquer que fosse o governador eleito faríamos isso para garantir um espaço neuro de trabalho”, esclareceu.

A iniciativa na escolha do CICB, segundo o governador Ibaneis Rocha, é oportuna por ser um espaço neutro para atuação de todos os participantes. Ibaneis decidiu arcar com os custos para não alimentar polêmicas sobre a parceria com o setor privado.
O presidente do CODESE/DF, Leonardo Ávila, destacou que o Conselho “não esperava nenhuma contrapartida por parte do governo, exceto a implementação das políticas públicas que constam do documento O DF QUE A GENTE QUER, VISAO 2040, que foi um compromisso assumido durante as sabatinas com todos os candidatos ao GDF”

FONTE: https://blogs.correiobraziliense.com.br/capital-sa/2022/11/07/empresas-poderao-se-instalar-as-margens-das-rodovias-no-df/

READ MORE

Construção civil pede a Lula juro baixo e estímulo à habitação popular.

 

Para entidades do setor, nova equipe econômica precisa também manter a regulamentação atual do setor, que ficou mais enxuta.

 

Luciana Dyniewicz.

Uma política econômica que permita a redução da taxa básica de juros, a Selic, estimule a competição entre fabricantes de matérias-primas e ajude a manter um fluxo regular de investimentos é a demanda da indústria da construção civil para o novo mandato do presidente Lula. Representantes do setor destacam também esperar que, nos próximos quatro anos, não haja alterações na regulamentação da construção (que está mais enxuta) e, por outro lado, que sejam retomados estímulos para a construção de moradia para a população mais carente.

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, o ponto-chave para o segmento no próximo governo é a regularidade no fluxo de investimentos. Ele diz ser preferível um volume menor de capital a um ritmo constante do que grandes aportes seguidos por freadas bruscas.

“Não dá para viver de uma solução única, que um dia coloca uma montanha de dinheiro e, de repente, morre tudo. Isso aconteceu com o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento, lançado em 2007 pelo governo do PT)”, afirma. “Sem continuidade, não posso investir pesado em tecnologia, maquinário e capacitação. Perco a oportunidade de ser mais produtivo”, acrescenta.

Martins destaca que, durante o governo Bolsonaro, foram feitas concessões para investimentos estruturantes no País, como de rodovias e aeroportos. A infraestrutura de pequeno porte, no entanto, ficou em segundo plano e precisa ser retomada. “São aquelas obras menores, que a conta não fecha para fazer concessões, mas que são necessárias no dia a dia. Uma concessão de uma estrada vicinal, por exemplo, não para em pé, mas tem de ter uma solução para mantê-la. Precisamos de algo para atender a essa demanda.”

Minha Casa, Minha Vida

O executivo ainda lembra que, no principal programa de habitação do governo, o Casa Verde Amarela (que substituiu o Minha Casa, Minha Vida), praticamente não houve contratações nos últimos anos no Grupo 1, destinado à população de renda mais baixa. “Isso acabou faltando. Tem de ser feito um debate em torno do assunto. Ninguém quer estourar o teto de gastos (para investir em habitação), mas é preciso resolver essa questão no Congresso“, acrescenta Martins.

O vice-presidente de relações institucionais do Sindicato da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), Yorki Estefan, também afirma que o novo governo terá de dar atenção a essa faixa do programa habitacional, que depende de subsídios. Ele, porém, pondera que isso tem de ser feito com responsabilidade fiscal. “O dinheiro (para o subsídio) tem de sair do Orçamento. Não adianta investir explodindo as contas do governo. Porque aí gera mais inflação e, consequentemente, juros mais altos.”

Estefan diz que é imprescindível que o novo governo mantenha em ordem as contas públicas para que a taxa de juros possa ser reduzida. Hoje a 13,75%, a taxa básica de juros torna o investimento financeiro mais atraente que o imobiliário, retirando recursos que poderiam ser destinados ao setor. Segundo o executivo, a indústria da construção trabalha “razoavelmente bem” com um juro na faixa de 8,5%.

Com o fim da obrigatoriedade de contribuição, Sinduscon/SP fez uma ampla reestruturação e reduziu o quadro de funcionário

Foto: Felipe Rau/Estadão / Estadão

Desoneração das importações

O vice-presidente do SindusCon-SP alerta também para a necessidade de estimular a indústria no país e desonerar as importações. A ideia é que isso torne as matérias-primas mais baratas, explica.

Estefan ainda diz ser importante não retroceder na regulamentação. Em 2020, foi reformulada uma norma que regulamenta o setor e que, por exemplo, permite que a gestão de riscos nos canteiros de obras seja feita pela própria construtora, e não por uma fornecedora. Cálculos do Ministério da Economia apontavam que a mudança nas regras da indústria garantiriam ao setor uma redução de custos de quase R$ 5 bilhões em dez anos.

FONTE: SITE TERRA

READ MORE

Oportunidades para construtoras com apoio da tecnologia impacta construção civil.

Com o aumento das oportunidades de financiamento imobiliário tanto por parte do programa Casa Verde e Amarela que apoia construtoras, quanto por parte do público que deseja conquistar a casa própria, é o uso da tecnologia que vai impactar o resultado de vendas no setor da construção civil.

26 out2022– 09h59
Ver comentários

Com a tecnologia as construtoras podem aproveitar importantes investimentos no setor e facilidades para financiar empreendimentos imobiliários. Segundo Pedro Guimarães, presidente da Caixa, somente no primeiro trimestre de 2022, o banco já liberou R$ 21,4 bilhões em financiamentos para a compra e construção de imóveis, esse valor representa um aumento de 32% em relação ao mesmo período de 2021.

Foto: DINO / DINO

Uma das oportunidades focadas no setor da construção civil é o programa Apoio à produção, da Caixa Econômica Federal, que financia empreendimentos enquanto o cronograma da obra é executado.

 

Em 2022, a Caixa reformulou algumas regras do programa, agora, as construtoras podem financiar até 100% do custo da obra a executar. Além disso, o cliente pode associar a marca Caixa ao empreendimento, inclusive utilizando essa estratégia no processo de vendas. Em contrapartida, os recursos para produção ficam 100% sob gestão da Caixa.

Porém, ao receber o financiamento do banco no Portal das Construtoras, as empresas devem auditar os dados recebidos em planilhas com uma equipe de repasse. Alguns dados recebidos são: CMF, DCD, ERP. No entanto, até que a gestão tenha acesso aos dados o processo leva alguns dias ou até semanas para acontecer.

Para Fernando Machado, product manager da Globaltec, empreendimentos maiores exigem uma grande quantidade de dados e, por isso, uma quantidade considerável de tempo para tratar esses dados. “O que novas tecnologias podem fazer é reduzir o tempo e inconsistências das informações e ajudar na mudança de processos, modelos de negócios e ecossistemas”, afirma.

Transformação digital e inovação andam juntas

As oportunidades de financiamento para construtoras por meio do crédito imobiliário movimentam o mercado na busca por soluções capazes de automatizar os processos e gerar mais eficiência. Segundo a empresa de consultoria International Data Corporation (IDC) 7,4 trilhões de dólares serão investidos mundialmente na transformação digital.

Para Fernando Machado, o que muitos gestores procuram é reduzir custos e o tempo de execução de alguns processos, por exemplo, leitura de arquivos complexos, inconsistências no fluxo financeiro. “Tecnologias como BI, ConstruFin e ERP transformam o dia a dia dos gestores e desenvolvem ainda mais o crescimento de novos negócios na construção civil”, completa.

fonte: terra

Website: https://www.globaltec.com.br/

READ MORE