fbpx

Skip to Content

Blog Archives

O impacto da desoneração da folha de pagamentos para a Construção Civil.

 

O Governo Federal prorrogou até dezembro de 2023 a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. A Lei n° 14.288, de 2021 sancionada tem a capacidade de oferecer estímulos para retomada da economia, principalmente, em face da diminuição de encargos fiscais a cargo dos empregadores. A medida pretende estimular os setores da construção civil, transporte rodoviário e outras 15 áreas da economia.

De acordo com essa medida, as empresas podem optar por deixar de pagar a contribuição previdenciária calculada sobre a folha de pagamentos e continuar a contribuir com base na sua receita bruta. Assim, as empresas passam a ter um maior incentivo para a contratação de pessoal. É a chamada desoneração da folha de pagamentos.

Para viabilizar a medida, o Executivo precisou editar uma Medida Provisória revogando a necessidade de a União compensar, por transferência orçamentária, o valor da desoneração para o RGPS, o que acabava fazendo com que a mesma despesa fosse computada duas vezes dentro do orçamento. As informações são da Secretaria Geral da Presidência.
Na prática, a Lei permite às empresas pagarem alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, em vez de 20% sobre a folha de salários. Este mecanismo possibilita maior contratação de pessoas e diminui a necessidade de demissões durante a crise causada pela pandemia de Covid-19. Foram impactados, com a decisão, cerca de 6 milhões de trabalhadores só na área da Construção Civil.
Para as empresas, a medida exige realizar um eficiente Planejamento Tributário. Um bom planejamento irá minimizar os custos fiscais e tributários possibilitando ao empreendedor escolher o regime que melhor se enquadra ao seu tipo de atividade, sendo ele com base na folha de pagamento ou na receita bruta.
O erro de muitos gestores é realizar escolhas sem ter por base dados e informações reais, que possam projetar para a empresa a opção de menor ônus, utilizando-se de meios legais. 

READ MORE

“Secretária de Desenvolvimento Econômico.”

Presidente Afonso Assad esteve em reunião Secretária de Desenvolvimento Econômico, nesta terça-feira dia 04 de outubro 2021, para tratar das obras da ADE da Ceilândia, obra de grande importância para os o
Empreendedores do DF, presentes o Secretário de Desenvolvimento Econômico Márcio Faria Júnior e Empresários da Construção Civil responsáveis pela execução das obras.

READ MORE

“O Seminário de Direito Imobiliário Ademi/DF”

“O Presidente Afonso Assad participou da abertura “O Seminário de Direito Imobiliário Ademi/DF”, onde reuniram-se importantes atores do Direito privado e do Poder Judiciário do Distrito Federal.”
.
.
.
.
#Direito #direitocivil #direitopenal #direitoconstitucional #direitodotrabalho #direitodoconsumidor #direitoporamor #brasil #justi #law #juridico #lei #advocacia #advogado #oab #amodireito #direito #advogados #asbraco #ademi/df #sinduscon

READ MORE

“O crescimento do setor da construção civil como impulso para a economia brasileira.

O retorno das feiras é uma das iniciativas que chega para contribuir com este avanço

Foto: Arquivo CasaProntaFoto: Arquivo CasaPronta

Apesar da pandemia da Covid-19 e os desafios enfrentados desde o início de 2020, como o contínuo aumento nos custos dos materiais e a falta de mão de obra, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) tem a expectativa de subir de 2,5% para 4% o crescimento do setor da construção civil em 2021.

A projeção é do estudo de Desempenho Econômico da Indústria da Construção do 2° trimestre deste ano, realizado pela CBIC. Esse é o maior crescimento previsto desde 2013. Todos estes números vêm de encontro também com o momento em que estamos vivenciando, visto que as pessoas ficaram mais tempo em suas casas e começaram a investir mais em conforto e bem-estar.

Desde então, a demanda por novas moradias e por reformas nos lares já existentes, têm crescido constantemente. Outro fator que também segue essa mudança no mercado, é a arquitetura. A pandemia trouxe novas necessidades às pessoas, como ter um local adequado para o home office, um espaço de higienização na entrada de casa, a natureza junto dos móveis e a automação residencial, são algumas dessas apostas.

Feiras como impulso da economia na região sul

Desde o avanço da vacinação na população contra a Covid-19 e a queda no número de casos, aos poucos, os eventos estão sendo retomados. Seguindo as medidas necessárias no momento, como número simultâneo de participantes e os protocolos de segurança, está se aproximando a data da 18ª Feira CasaPronta, que acontecerá na cidade de Criciúma, entre os dias 06 e 10 de outubro, no Pavilhão de Exposições José Ijair Conti.

Foto: Arquivo CasaProntaFoto: Arquivo CasaPronta

evento une os setores de construção, decoração e mobiliário e já se tornou uma exposição tradicional na região sul de Santa Catarina. Além da venda direta para aqueles que desejam construir o seu próprio imóvel, o Salão de Negócios da Acomac é o espaço direcionado para que a indústria também possa expor os seus produtos diretamente para os lojistas.

Foto: Arquivo CasaProntaFoto: Arquivo CasaPronta

Segundo Gilson Godinho, presidente da Acomac-Sul (Associação dos Comerciantes de Materiais de Construção da Região Sul de Santa Catarina), a troca disponibilizada pela feira, possibilita um momento extremamente produtivo para o setor. “Assim como as indústrias apresentarão os seus produtos e farão o relacionamento de negócios, fica o nosso convite para que os lojistas participem, pois haverá condições especiais e as empresas estão voltadas para fechar bons negócios”, frisa Gilson.⠀

Foto: Arquivo CasaProntaFoto: Arquivo CasaPronta

O espaço como vitrine para divulgação dos produtos

Feira CasaPronta possibilita a venda direta entre lojista e o público e também da própria indústria com o lojista, com preços e condições especiais preparadas especialmente para o evento. É por isso que, de acordo com a diretora da NossaCasa Feiras & Eventos e organizadora da CasaPronta, Jaqueline Backes, tudo o que é preciso para construir ou decorar um imóvel, as pessoas encontram na exposição.

Foto: Arquivo CasaProntaFoto: Arquivo CasaPronta

“A variedade de produtos e de linhas nos setores da construção, mobiliário e decoração, é uma das marcas da feira. E, além de impulsionar a economia dos setores na região, também é uma ótima vitrine de divulgação”, acrescenta Jaqueline.

As projeções já apontavam que 2021 traria um avanço significativo para o setor da construção civil, e os dados demonstram que o ramo fechará o ano com uma das perspectivas mais positivas em relação à economia do Brasil.

fonte: ND+

READ MORE

Índice Nacional da Construção Civil avança 0,99% em agosto

O número recuou em relação à taxa observada em julho, que foi de 1,89%, e representa também a menor variação desde agosto de 2020

Índice Nacional da Construção Civil

O custo do m² na construção foi de R$ 1.463,11  (Foto: winnievinzence/Shutterstock)

– Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) registrou alta de 0,99% no último mês de agosto. O número recuou em relação à taxa observada em julho, que foi de 1,89%, e representa também a menor variação desde agosto de 2020. O indicador atingiu 22,74% no acumulado de 12 meses e neste ano o crescimento é de 14,61%.

Já o custo do m² na construção foi de R$ 1.463,11 em agosto de 2021. Desse total, R$ 866,89 correspondem aos materiais e R$ 596,22 são relativos à mão de obra – considerando a desoneração da folha de pagamento. Em julho, o valor havia ficado em R$ 1.448,78.

Para Augusto Oliveira, gerente do Sinapi, alguns dissídios pesaram nos resultados. “No caso da mão de obra, houve dissídios em Santa Catarina e no Ceará, locais com as maiores taxas, 3,65% e 2,5%, respectivamente”, diz. Nos demais estados, a variação ficou em torno de 1%.

O índice que não considera a desoneração da folha de pagamento fechou o mês de agosto a R$ 1.554,73/m², com alta de 0,94% em relação ao mês anterior. Em 12 meses acumulados, a alta registrada foi de 21,63%. Considerando apenas 2021, o aumento é de 14,05%.

Números regionais

Em agosto, a maior variação foi observada no sul do país. O índice de 1,71% pode ser explicado pela alta na parcela dos materiais em todos os estados da região e pelo acordo coletivo em Santa Catarina. Já no restante do país, a taxa foi de 1,23% no Centro-Oeste; 1,03% no Nordeste; 0,90% no Norte; e 0,68% no Sudeste.

Em relação ao custo por metro quadrado, o Sul registrou R$ 1.547,75; o Sudeste R$ 1.526,39; o Centro-Oeste R$ 1.424,02; o Norte R$ 1.413,47; e o Nordeste R$ 1.378,49.

fonte:AECWEB

READ MORE

“DF: após conter incêndio, Hospital de Santa Maria retoma atendimento.

Com a situação normalizada após um princípio de incêndio atingir o subsolo do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache, determinou a retirada da bandeira negra decretada na tarde dessa quinta-feira (9/9). O atendimento aos pacientes no pronto-socorro adulto foi normalizado, e aqueles que têm consultas agendadas podem comparecer normalmente para serem atendidos no Ambulatório.

READ MORE

“GDF ANUNCIA O FIM DO TOQUE DE RECOLHER.”

A partir da próxima quarta-feira(8), o Distrito Federal já não terá mais restrições de horário no comércio nem de toque de recolher para a população. A decisão foi autorizada ontem pelo governador do DF, Ibaneis Rocha, e publicada em edição extra do Diário Oficial.
As restrições, porém, permanecem para shows que exijam a autorização do Executivo para acontecerem. Casamentos, batizados, e a venda de bebidas alcoólicas também
não têm mais restrições. De acordo com Ibaneis, as flexibilizações são possíveis devido às baixas taxas de mortalidade e internações pela covid-19 no Distrito Federal. “O momento nos permite essa abertura. Avançamos na vacinação
e estamos com uma boa quantidade de leitos na rede hospitalar. Se houver qualquer agravamento, voltamos a restringir”, afirmou

READ MORE